segunda-feira, 25 de junho de 2018

J.S. BACH: «ERBARME DICH MEIN GOTT»

                            Matthäuspassion, BWV 244: No. 47, Erbarme Dich



                 
                 
     

Erbarme dich, mein Gott,

um meiner Zähren willen!

Schaue hier, Herz und Auge

weint vor dir bitterlich.

                             Erbarme dich, mein Gott.
                                            

                                                                         
     


domingo, 24 de junho de 2018

«ORLANDO FURIOSO» DE VIVALDI

«NEL PROFONDO», ÁRIA DO 1º ACTO


(Nel profondo cieco mondo si precipiti la sorte già spietata a questo cor. Vincerà l'amor più forte con l'aiuta del valor.)
                                                   
                                     [SOLISTA: MARIE-NICOLE LEMIEUX]


                                                          INTEGRAL DA ÓPERA


DISTRIBUTION





  • Date17 avril 2018
  • Durée3h 30min
  • ProductionOxymore - Fondazione Teatro La Fenice - Mezzo avec la participation de France Télévisions
  • RéalisationStephane Verite
  • AuteurGrazio Braccioli
  • CompositeurAntonio Vivaldi
  • Metteur en scèneFabio Ceresa



    • Acteurs (+rôles)
    • Orlando : Sonia Prina / Angelica : Francesca Aspromonte / Alcina : Lucia Cirillo / Bradamante : Loriana Castellano / Medoro : Raffaele Pe / Ruggiero : Carlo Vistoli / Astolfo : Riccardo Novaro



  • Chef d'orchestreDiego Fasolis
  • OrchestreOrchestra del Teatro La Fenice
  • CostumesGiuseppe Palella
  • LumièreFabio Barettin
  • DécorsMassimo Checchetto
  • ChoeurCoro del Teatro La Fenice
  • Chef des choeursUlisse Trabacchin
















O libreto, baseado num poema de Ariosto, poeta do Renascimento, tem todos os ingredientes para exprimir as paixões humanas. Nomeadamente, a tensão emocional que acompanha o desenrolar do drama em música. As paixões foram sempre matéria-prima da ópera: aqui, a paixão amorosa insatisfeita leva Orlando à loucura. 
Aqui, nesta encenação, são exprimidas as emoções humanas, com talento e criatividade, motivo pelo qual prefiro esta versão a muitas outras. A qualidade musical dos interpretes serve perfeitamente a excelente partitura.
Esta ópera «Orlando Furioso» é uma das mais célebres de Vivaldi. Na nossa época, foi representada em palco e gravada em disco, com bastante frequência. Creio ser uma das óperas barrocas que mais facilmente se podem acomodar ao gosto do público contemporâneo. 
Algumas das suas árias tornaram-se célebres e são regularmente incluídas em recitais, por vários intérpretes. 

sábado, 23 de junho de 2018

A PANDEMIA DE ALZHEIMER


               Resultado de imagem para alzheimer


As doenças ditas de civilização, como o Alzheimer, são uma manifestação de dois conjuntos de factores principais. 
Primeiro, o aumento extraordinário da esperança de vida nas sociedades afluentes. Este aumento foi tão rápido que os sistemas de pensões, de saúde da população, a estrutura dos empregos, múltiplos aspectos das referidas sociedades foram completamente «apanhados de surpresa». No Japão, por exemplo, estima-se que em 2050, 40% de pessoas tenha mais de 65 anos. Tal como para outras patologias, as demências resultantes de efeitos degenerativos complexos e múltiplos, sendo o Alzheimer apenas uma delas, são inevitavelmente destinadas a crescer, em termos gerais. Isto deve-se ao efeito da senescência, complexo de fenómenos que vai do encurtamento das extremidades (telómeros) dos cromossomas a cada ciclo de duplicação dos mesmos, até à perda da eficiência do sistema imunitário. Este, como sabemos, detecta não apenas corpos estranhos ao organismo (vírus, bactérias, etc), como também as próprias células que deixaram de se comportar normalmente e exibem características de células pré-cancerígenas ou cancerígenas. No caso das doenças causadas por corpos amilóides, que são proteínas do próprio organismo modificadas numa etapa pós-tradução, a acumulação no cérebro, formando placas destas proteínas, inicia-se antes de haver sinais clínicos da doença. Um conjunto de dados poderia indiciar que as referidas doenças cerebrais são uma inevitável consequência da idade.

Mas sabemos também que existem múltiplos factores não intrínsecos, não genéticos, como sejam a dieta, o exercício físico, a interacção social, os bons hábitos de vida, que têm um forte efeito preventivo. São estes, o outro conjunto de factores principais para se compreender as causas da pandemia de Alzheimer.

Na alimentação actual existe uma grande parte que é processada: como parte dos  procedimentos industriais para chegar à prateleira do supermercado em «boas condições» (aparentes) são incluídos aditivos diversos. 
Muitas substâncias podem passar os testes dos organismos que supervisionam a qualidade dos alimentos, que têm, em virtude de uma repetida ingestão, um efeito de longo prazo, que os referidos testes não são capazes de detectar. 
Existem, nos alimentos processados industrialmente, substâncias inflamatórias, que causam inflamação nos órgãos interiores, incluindo o cérebro, que reagem - assim como a pele reage a certas substâncias - desenvolvendo uma inflamação. Estas moléculas não causam problemas, se houver uma ingestão ocasional e em baixa quantidade, mas tornam-se patogénicas com a continuação da exposição do organismo. 
A prevenção do Alzheimar e doutras demências, tal como a prevenção da obesidade e da diabetes, passa pela não-ingestão de comidas e bebidas açucaradas, típicas do «fast food», mas também das refeições pré-preparadas congeladas, ou de muitas das comidas embaladas. 
Na comida industrial, adicionam açúcar em mais ou menos todas as comidas processadas, mesmo as não-doces, para - de forma «sorrateira» - causar uma adicção do consumidor, além de incluírem múltiplos componentes, inócuos em pequenas quantidades, mas que têm efeitos no longo prazo: alguns exemplos são os sulfitos, as proteínas de soja e a lactose (o açúcar do leite) e muitos mais se poderia referir.
Igualmente importante é uma dieta onde a carne (mesmo a mais saudável), o peixe e os tecidos animais em geral, os ovos, o leite e os seus derivados, estejam em proporção modesta.  
Foi repetidas vezes evidenciado o efeito na saúde em geral, dum excesso de proteína animal, muitas vezes acompanhado pela ausência ou dum menor consumo de fibras vegetais na dieta, erros tão comuns nas dietas das pessoas nas sociedades mais desenvolvidas, ou nas camadas da população mais abastadas nos países pobres. 

A prevenção da senilidade, incluindo do Alzheimer, passa por exercício físico regular, moderado, ao ar livre. Passa por haver uma rede de relacionamento social das pessoas mais idosas, pessoas de família ou amigas com as quais possam manter interacção frequente. Infelizmente, a realidade das nossas sociedades está no pólo diametralmente oposto deste ideal.

A melhor maneira de prevenir e portanto combater o Alzheimer, assim como a diabetes, o cancro e - em geral - as doenças «de civilização» é dar uma educação, não alarmista, mas fácil de assimilar por toda a população. 
A prevenção é sempre melhor (e mais barata) que o tratamento, especialmente nestes casos em que a génese da doença está correlacionada com uma acumulação de erros de comportamento alimentar, de ausência de exercício físico, de interacção social...

sexta-feira, 22 de junho de 2018

QUANTOS PÃES COMPRA UMA ONÇA DE OURO?



Pode parecer o título deste artigo, um ridículo problema de aritmética. Mas afinal, esta é a questão que interessa mais em toda a economia monetária. Sobretudo, interessa saber como variou o poder de compra, o poder aquisitivo das divisas em papel, face às formas de dinheiro que têm milénios, o ouro e a prata. 
Lynette Zang dá-nos uma lição de economia excelente e que não podia ser mais atempada. 
Note-se que aquilo que diz em relação ao dólar, enquanto reserva de valor, se aplica a todas as outras moedas «fiat», o euro, a libra, o yen, o yuan... etc.

ILAN PAPPE: O SIONISMO E A LIMPEZA ÉTNICA DOS PALESTINIANOS


Ilan Pappe é um respeitado professor universitário judeu e de nacionalidade israelita.
Foi obrigado a refugiar-se na Grã-Bretanha em consequência de ameaças dirigidas à sua pessoa e à sua família. 

Parte I do programa «the Hart of the matter»: https://vimeo.com/5975423

Parte II do programa «the Hart of the matter»: https://vimeo.com/5976685

quinta-feira, 21 de junho de 2018

DESCOBRINDO A MÁ CONSCIÊNCIA DO PASSADO


                        


A forma como o regime de Salazar transformou a expansão marítima e a colonização em epopeia dos «descobrimentos», é realmente um panegírico político para justificar o imperialismo português, que existiu entre finais do século XV e Alcácer Quibir (1578), pois assim podia «unir» em torno da ditadura os colonialistas de «esquerda» (republicanos) e de «direita» (monárquicos) da época. 

Mas será isso um bom pretexto para se rejeitar o conhecimento deste período da história de Portugal? Será razão para não se ver, objectivamente, que os princípios e valores que norteavam as pessoas de há cinco ou seis séculos atrás, nada têm a ver com a mentalidade actual e com o modo como concebemos a democracia, os direitos humanos, a igualdade, o anti-racismo? 

As viagens portuguesas tinham como objectivo claro e explícito, não apenas o comércio, mas a conquista, o ganhar terras para o rei de Portugal. 
Os homens que capitaneavam as expedições possuíam motivos tudo menos nobres, na verdade: ambição política, ganância, redourar o seu brasão ... Porém, nada disto é justificativo da forma absurda como se coloca a questão, ao nível verbal, ao nível de terminologia... É absurdo termos má consciência colectiva por aquilo que fizeram os homens que iam nas caravelas ou, aliás, por todos os que pertencem à nossa História. 

É triste que pessoas supostamente bem informadas sobre as viagens dos portugueses e sobre a sua importância para o Renascimento e para o advento da era moderna, se ponham a fazer - simetricamente aos salazaristas e os arautos políticos do passado - um «debate» que é apenas centrado nos horrores, violências, a escravatura, etc. que acompanharam ou seguiram de perto os «descobrimentos». 

Também é irrelevante que se fale de viagens, em vez de descobrimentos: toda a gente sabe que quase todas essas terras eram povoadas, que muitas tinham civilizações, em muitos aspectos superiores às dos «descobridores». É que o termo foi usado na perspectiva do homem europeu... terras por descobrir pela civilização cristã, europeia, ocidental. Igualmente, quando se falava de «dar a conhecer ao mundo», era dar a conhecer ao SEU mundo.  

Podia-se fazer, sem nacionalismo, sem paternalismos pós-coloniais e sem estúpidas culpabilizações colectivas, uma abordagem do fenómeno da expansão ultramarina de Portugal. 
É realmente uma porta adequada para se perceber o ascenso do primeiro globalismo,  do capitalismo mercantil, das primeiras empresas monopolistas, do envolvimento ou proteccionismo do Estado nesses empreendimentos. 
Mas, igualmente, constitui uma mudança radical na filosofia, pela mudança na forma de abordar o outro. 
Ou enquanto primeiro e óbvio triunfo da ciência e da tecnologia ocidentais: os exemplares de plantas, animais e minerais trazidos eram analisados e descritos em termos racionais; as próprias ciências da navegação e ciências associadas (geografia, astronomia, etc.) foram decisivas para as viagens.

Creio que a redução das questões relacionadas com a expansão portuguesa a meras guerras de capelinhas políticas e confrontos verbais estéreis mostra como a «elite» que escreve colunas de opinião nos jornais e fala nas tvs está completamente caduca. Dêem oportunidade a pessoas com cultura verdadeira, para que elas tenham acesso à palavra.
Não existe democracia, qualquer que seja o significado dado a esta expressão, num país onde um pequeno grupo (sempre o mesmo) tem acesso ilimitado aos meios de difusão contemporâneos do pensamento (os media), podendo constantemente despejar sobre o público todas as inanidades, todas as cretinices; no mesmo momento, quem tenha realmente conhecimento sobre os assuntos e com algo de interessante a dizer, fica irremediavelmente afastado.  

terça-feira, 19 de junho de 2018

JORNADA DE APOIO AO POVO DA PALESTINA/ FLOTILHA DE GAZA 19-22JUNHO



        
             Flotilha por Gaza
Entre 19 e 22 de Junho vão estar na Marina de Cascais as embarcações «Freedom» (Liberdade) e «Al-Awda» (O Retorno) que integram a Flotilha da Liberdade 2018 que partiu da Suécia e da Noruega e tem como destino Gaza.
Quinta-feira dia 21 virão até à Fábrica de Alternativas às 18:30 para uma conversa entre os membros da Flotilha e todos os que desejarem saber mais sobre a situação na Palestina e sobre a própria viagem. Uma ampla participação de todo(a)s permitirá que os membros da Flotilha levem ao povo palestino um forte testemunho da solidariedade do povo português.
18H30 - Conversa com membros da flotilha
20H00 - Jantar Palestiniano
21H30 - Filme sobre a situação na Palestina
Quem não puder estar presente na Fábrica pode consultar o programa completo no final deste texto
SOBRE A FLOTILHA DA LIBERDADE
A Coligação da Flotilha da Liberdade (Freedom Flotilla Coalition - FFC) é um movimento humanitário, composto por pessoas do mundo inteiro que trabalham juntas para acabar com o bloqueio ilegal e desumano imposto à população da Faixa de Gaza e para exigir a liberdade de movimento para todo o povo palestiniano. Esta coligação formou-se em 2009 para coordenar acções e campanhas locais contra o bloqueio imposto sobre um território povoado por dois milhões de pessoas. Cada ano, desde 2009, a Coligação da Flotilha da Liberdade procura romper o cerco a Gaza levando bens e esperança à população e lembrando ao Mundo como este cerco é desumano. Este ano navega com o lema: UM FUTURO JUSTO PARA A PALESTINA
FAIXA DE GAZA - A MAIOR PRISÃO A CÉU ABERTO
A Faixa de Gaza situa-se à beira do Mar Mediterrâneo. É um território de 365 km2, onde vivem cerca de 2 milhões de pessoas submetidas a um bloqueio desumano desde 2007, em que o governo sionista de Israel exerce controlo a todos os níveis: entradas de bens alimentares e médicos, circulação de pessoas, controlo do mar, do ar e da terra, controlo do fornecimento da electricidade, controlo da entrada de materiais de construção e de todo o tipo de equipamento.
Hoje na Faixa de Gaza, a população tem 4 horas de ectlericidade por dia. Não tem água potável nas torneiras. Os pescadores estão limitados a 6 ou 3 milhas náuticas. O mar está poluído devido à falta de electricidade e de materiais de construção para concluir as estações de tratamento das águas dos esgotos. A população da Faixa de Gaza está sujeita a repetidos e aleatórios bombardeamentos nos limites arbitrários das suas fronteiras e nos limites flutuantes das milhas náuticas impostas, impedindo camponeses e pescadores de colher os frutos para a sua subsistência.
São 11 anos de prisão e repetidos massacres com consequências devastadoras em termos humanos e ambientais.
Os massacres de 2008-2009 (Operação Chumbo Fundido) deixaram 1400 mortos, 60.000 casas destruídas e 20.000 pessoas sem lar;
O ataque de 2012 (Operação Pilar Defensivo) fez 174 mortos e 10.000 casas destruídas;
A carnificina de 2014 (Operação Margem Protectora) resultou em 2251 mortos, 171.000 casas destruídas, 17.800 casas totalmente inabitáveis e 100.000 pessoas sem lar;
A repressão mortífera exercida pelo exército israelita desde 30 de Março de 2018, dia da Marcha do Regresso (Dia da Terra) deixou, até agora, 135 pessoas assassinadas e mais de 14.605 feridas (Fonte OCHA).
PROGRAMA
Terça-feira 19 de Junho
Chegada dos barcos «Freedom» e «Al Awda»
Concentração junto à Marina de Cascais a partir das 17:00
Sambacção/ROR (presença a confirmar)
Quarta-feira 20 de Junho
18:30 Sessão pública na Associação José Afonso, Rua de São Bento nº 170, Lisboa, com a presença e participação de membros da Plataforma de Apoio à Flotilha 2018, MPPM, Representante do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina, Membros da Flotilha da Liberdade
Coro da Achada (presença a confirmar)
Quinta-feira 21 de Junho
Conferência de Imprensa 11:00 junto da Marina de Cascais a bordo do veleiro "Freedom".
Entrevistas a partir das 14:15 (marcação prévia)
18:30 Conversa com membros da Flotilha na Fábrica das Alternativas,Rua Margarida Palla nº 19A, Algés
19:00 Conversa com membros da Flotilha na RA Arroios 100 - Rua de Arroios nº 100, Lisboa
Sexta-feira 22 de Junho
Partida dos barcos da Marina de Cascais com destino a Cádis.
Concentração junto à Marina a partir das 8:00
Sambacção/ROR (presença a confirmar)
19:00 Benefit Flotilha na Disgraça, Rua da Penha de França nº 217A/B, Lisboa.
Programa provisório: jantar, curtas metragens, concerto, apresentação da Flotilha, lançamento das Folhas Soltas do GAP nº 9, apelo a participação Folhas Soltas nº 10 (...)
PARA MAIS INFORMAÇÕES
Freedom Flotilla Coalition: https://freedomflotilla.org