quinta-feira, 1 de março de 2018

A CRIAÇÃO MONETÁRIA E A INFLAÇÃO

Muitas pessoas são mantidas na ignorância, em relação aos mecanismos que operam nas economias. Nomeadamente, para muitas pessoas, a inflação é um «mistério», do qual apenas experimentam os efeitos, sem realmente compreenderem a sua origem e a razão de ser. 

O aumento de preços ao consumidor é, afinal, equivalente a uma diminuição do poder de compra do salário ou pensão, ou quaisquer rendimentos monetários do indivíduo. 
Mas esse aumento não se verifica por obra  e graça de uma «força natural», uma tal «mão invisível» do mercado. 
Ele ocorre porque o sistema monetário está desenhado de tal modo que os poderes (dos Estados e do grande capital) podem a seu bel prazer manipular o volume de dinheiro em circulação, o dinheiro disponível. 
Veremos adiante como conseguem essa proeza. Mas, desde já, vamos esclarecer quais as vantagens deles, ao disporem e usarem abundantemente dessa capacidade de manipulação:
Imagine o leitor que tem de receber uma soma correspondente a um empréstimo que fez ao Estado (via obrigações do Tesouro ou outros instrumentos) ou a uma grande empresa. Isto é uma forma comum de poupança, investir-se em dívida pública ou privada, directa ou indirectamente, através de fundos. 
O juro é fixo: se tiver um juro abaixo da taxa de inflação real, por exemplo, juro de 3% ao ano, sendo que a inflação real é de 4%, na realidade está a perder 1% ao ano sobre essa suposta «poupança». 
A manipulação dos índices de inflação destina-se a ocultar este facto, a realidade da inflação, ou seja: existe uma perda do poder aquisitivo duma dada moeda, perdemos valor real somente por determos essa moeda. 
Um dado montante em dívida, que tem de ser integralmente paga ao fim de 5, 10 ou mais anos, o chamado «principal» irá valer, em termos reais , muito menos que o valor dessa mesma quantia no momento inicial: por exemplo, 1000 € em 2007 tinham uma capacidade de adquirir determinada quantidade de mercadorias, de bens ou serviços... o poder de compra dessa mesma quantia em 2017 é apenas de cerca de 60% de há dez anos atrás, compra-se menos 40% com esse dinheiro em 2017, relativamente ao que se poderia comprar dez anos antes, em 2007.

Os pensionistas perdem constantemente poder de compra, o ajustamento no montante das suas pensões vem sempre tarde e a más horas: o sistema de pensões (seja público ou privado) tira vantagem, obviamente, da existência de inflação. 
As contas do Estado, em geral, beneficiam com a inflação pois, no médio e longo prazo, as dívidas acabam por pesar muito menos e são mais facilmente liquidadas. 
Note-se que é uma devolução de «gato por lebre»... com efeito, se o Estado (ou a entidade privada) devolver dez anos depois os 1000 € que pediu emprestado, está a restituir apenas 600 €: o equivalente ao poder de compra de 600 €, em 2007!

Para gerar artificialmente inflação, que beneficia os devedores - principalmente a grande banca, as grandes empresas, os Estados - dá-se uma criação monetária constante. 
A criação monetária pode ser efectuada pelos bancos centrais. Eles têm feito isso ultimamente em grande escala quando compram dívida, com dinheiro criado a partir de nada: é o que tem feito o BCE, nomeadamente, desde há vários anos, com uma compra mensal média de 60 biliões de euros em activos financeiros aos bancos dos vários países e obrigações dos Estados-membros. 
O dinheiro globalmente disponível no sistema vai aumentando, sem que exista correlativa e proporcional retirada de circulação dessa divisa. Cada unidade nesta moeda (neste caso, o euro) fica portanto com o seu valor diminuído, visto que existem mais euros em circulação, para comprar sensivelmente a mesma quantidade de bens ou serviços.
Mas a principal criação monetária, nas nossas sociedades, é efectuada quotidianamente pelos bancos comerciais: através dos empréstimos, eles criam dinheiro a partir de nada: Se tiver 100 € no banco e o mesmo banco emprestar 100€ a outro cliente, este irá ter a sua conta creditada com 100 €, que poderão ser utilizados. 
Devido ao empréstimo do banco, existirão agora 200 €, onde antes existiam apenas 100€. 
É esta a principal origem de inflação monetária. Os bancos detêm quase todo o controlo do crédito, tendo portanto capacidade de «aquecer» uma economia, facilitando o crédito, ou o contrário. 

O custo dos empréstimos, as taxas de juro são o instrumento mais utilizado para controlar a quantidade de dinheiro disponível. Os bancos centrais, os governos e a banca comercial detêm o controlo dessas taxas, para manterem em funcionamento o sistema, mas no sentido de os favorecer a eles
O cidadão comum está, muitas vezes, enredado em dívidas, em relação à casa, ao automóvel, a várias compras (cartões de crédito...). Tem muito pouca margem de segurança para «ficar à tona», caso falhe - num dado momento - a entrada de dinheiro, ou se for obrigado a fazer face a despesas não previstas.  
Desde 2008, sobretudo, a poupança é desestimulada, visto que as taxas de juro são negativas, em termos reais. Se a inflação verdadeira é de 6% , um depósito a prazo com juro de 4%, é negativo: - 2%
Com este mecanismo, as pessoas são empurradas para apostas arriscadas no casino da especulação, na bolsa de ações, ou noutros activos financeiros.  
Outras pessoas «jogam» no imobiliário, estimuladas pela bolha especulativa a investirem em casas ou apartamentos claramente sobre valorizados; quando vem uma crise, perdem imenso, 50% ou mais do valor investido, quando não perdem tudo, porque ficaram falidas.
A economia individual ou familiar tem de ser compreendida de modo diferente da economia global. É necessário poupar, sempre que possível, e fazê-lo a vários níveis. 
As famílias e indivíduos podem poupar, fazendo reserva de alimentos ou outros bens consumíveis: ao terem uma dispensa contendo mais do que o consumo imediato (por exemplo, reservas de alimentos que se podem guardar 2 a 6 meses...) estão a poupar, porque evitam pagar mais caro. Não devem recorrer ao crédito e, caso o tenham feito, ir diminuindo o montante em dívida, sempre que tenham oportunidade disso. 
Se têm algum excedente,  é mais seguro investir fora do sistema financeiro: por exemplo, em moedas ou barras de ouro ou prata, em bens imobiliários (casas e/ou terrenos), etc...estes funcionam como almofada de segurança, caso haja aceleração da inflação: os referidos investimentos têm, neste caso, um aumento que equilibra, ou mesmo ultrapassa, o efeito da inflação sobre salários e pensões.

As pessoas devem tentar aprender noções práticas de economia fora do convencional, da pseudo-ciência económica, que apenas está interessada em que as pessoas vivam na ilusão. Não se poderão defender, se estiverem na ignorância dos mecanismos básicos, aliás, muito menos complicados do que possam parecer à primeira vista.
Por ingenuidade e défice de informação, acabam por ter o comportamento que interessa aos detentores do grande capital. Sobretudo, não irão jamais questionar, apontando responsabilidades, pela degradação do poder de compra de suas poupanças, de seus salários e pensões...