sexta-feira, 9 de março de 2018

A ÚLTIMA FRONTEIRA DA GUERRA FRIA

https://www.youtube.com/watch?v=KrAwyzZwcMc





Desde a brutal e inconclusiva guerra da Coreia, os dois regimes - a Coreia do Norte e Coreia do Sul - viviam numa situação de tréguas instável. 
A Coreia do Norte evoluiu para um curioso regime totalitário de carácter autárcico, uma «monarquia vermelha», com uma sucessão hereditária de líderes carismáticos, até ao actual líder, Kim Jong Un. 
A Coreia do Sul viveu intensa repressão anti-comunista e anti-trabalhadores, tendo-se libertado dos aspectos mais odiosos da repressão através de um levantamento popular, nos anos oitenta. Mas o regime foi sempre oficialmente anti-comunista, totalmente alinhado com os EUA, os quais tinham neste período - pelo menos, até há bem pouco tempo - ditado qual deveria ser a atitude da Coreia do Sul, sua aliada nominalmente, mas na verdade sua colónia. Os sessenta mil militares estacionados permanentemente  em diversas bases, dispunham de armamento sofisticado de defesa e de ataque. Sabe-se que passaram por estas bases ogivas nucleares americanas, sem que estes dessem conta aos políticos e militares do regime do Sul. 
Para a estratégia dos EUA,  a Coreia do Sul tem constituído uma peça-chave do seu dispositivo. Com efeito, a existência daquele outro Estado arque-inimigo - a Coreia do Norte- tem sido muito conveniente, como pretexto para manter forças importantes em estado operacional permanente desde há vários decénios, não apenas na Coreia do Sul, como também no Japão. Graças a este pretexto, os EUA dispõem de meios de exercer chantagem militar sobre a China, ou Rússia, visto poderem também alcançar com seus mísseis, o extremo oriente russo. 
Depois do fim oficial da «guerra fria» em 1991, com a dissolução da URSS e o desfazer-se do Pacto de Varsóvia, o regime Norte-Coreano, arcaico e super-repressivo foi mantido, não por milagre, mas porque todos os vizinhos encontravam aí algo a ganhar. 
A Coreia do Sul tinha um inimigo cuja ameaça tornava indispensável que o «Tio Sam» ajudasse e protegesse a «frágil democracia» do Sul, dos «constantes intentos subversivos» dos «comunistas» do Norte. 
Os Chineses, possuíam um aliado incómodo, mas apreciavam a existência de um «tampão» entre as suas fronteiras e os dispositivos militares dos EUA, em bases permanentes e dotadas de todo o arsenal bélico, para atingir o território da R.P. da China. 
Os russos, tinham os mesmos motivos que os Chineses, em relação ao papel da Coreia do Norte como «Estado tampão». 
Os japoneses também tinham vantagem, pois assim conseguiam manter a protecção dos EUA. Além disso viam com bons olhos que a Coreia do Sul, seu concorrente industrial,  continuasse a braços com este problema, obrigada a desviar somas colossais dos recursos do Estado coreano para a defesa, incluindo a manutenção dum exército em pé de guerra permanente, para enfrentar uma hipotética invasão, ou qualquer provocação vinda do «irmão inimigo» do Norte. 
A abertura da Coreia do Sul à R.P. da China, os laços de comércio (70% do Comércio Sul-coreano é actualmente com a R. P. da China) e as políticas de boa vizinhança, além da existência de um grande cansaço da população em geral e mesmo de parte da oligarquia sul-coreana, perante este estado de guerra suspenso «sem fim à vista», levou a que, no início do novo milénio, a liderança de um presidente da «esquerda moderada» levasse a cabo a «Sunshine Policy» de abertura à Coreia do Norte: através de pequenos passos, do levantamento de certas restrições, da implantação de uma zona industrial na Coreia do Norte, onde as empresas do Sul poderiam investir, aproveitando baixos salários e boas condições de funcionamento garantidas pelo regime do Norte, etc. Esta política foi posta em causa - embora não completamente - pelos governos conservadores que lhe sucederam. 
Apenas com este novo presidente, Moon, as coisas se modificaram. Desta vez, os Jogos Olímpicos de Inverno foram ocasião para uma grande operação de «degelo» e de diplomacia desportiva, como todo o Mundo pode testemunhar. Os contactos prosseguem actualmente. 
As duas Coreias finalmente dialogam entre elas, sem pedirem autorização a nenhum dos «protectores». A presidência dos EUA, apesar de uma série de afirmações deselegantes e provocatórias do seu vice-presidente, durante os jogos Olímpicos de Inverno, viu-se na obrigação de apoiar o novo rumo das relações, segundo o conhecido ditado «se não os podes derrotar, junta-te a eles».
Tudo isto vai evoluir; de uma forma ou de outra, nada ficará como dantes. 
O destino que o regime Norte Coreano tiver, oxalá dependa apenas e somente da vontade dos seus cidadãos. Não acredito que, face a uma maior abertura ao mundo, havendo uma garantia de não-ingerência, o status quo permaneça intacto  por muito tempo. 
Ocorreram outras transições de regimes totalitários, «vermelhos» ou não: nada garante porém que, no caso da Coreia do Norte, se caminhe para um maior respeito pelos direitos humanos, pelos direitos de participação política na sua plenitude. Mas não há dúvida que, no interior do próprio regime, se irão fazer ouvir vozes clamando por mudança. 
A minha natureza, essencialmente optimista, em relação à espécie humana, faz-me crer profundamente que os povos, quando deixam de estar sujeitos ao medo, encontram naturalmente o caminho próprio para a felicidade. 
A felicidade deles também é a nossa, pois significa - não  meramente em termos simbólicos - que a página da «guerra fria», esse longo período de grave ameaça para a Paz mundial,  estará definitivamente virada.