quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

O QUE IMPLICA A VOLATILIDADE DAS CRIPTOMOEDAS

As criptomoedas, desde o seu nascimento, sobretudo o bitcoin, mas depois, outras também (ethereum, riple, etc.) estão sujeitas a enorme volatilidade. Os dados mais recentes, apontam para uma descida vertiginosa, apenas comparável a recentes subidas, também elas, vertiginosas. 

Para se ter uma ideia dos riscos que o investidor pode correr ao decidir investir em bitcoin ou outras criptomoedas, basta dar uma olhadela ao mapa abaixo:

                             Foto de Manuel Baptista.

 Note-se que, os países que aderem ao sistema «dólar» são os mesmos onde o bitcoin e seus análogos são legais. Os países onde é ilegal ou muito desaconselhável possuir, são justamente os países que têm acumulado reservas de ouro (não apenas os bancos centrais, mas também a população).

A entrevista seguinte pode ajudar-nos a compreender como as coisas são vistas nos meios financeiros bem informados: 


Existem sinais de que as pessoas da classe média dos países afluentes, mas também dos restantes países, estão a entrar na bolha especulativa do mercado das criptomoedas, tal como no mercado imobiliário e nas bolsas. 
Recebi informação de que o aumento de endividamento dos americanos através dos cartões de crédito, não é devido a um aumento do consumo propriamente dito, mas a usarem os seus cartões de crédito para comprar criptomoedas. 
A confirmar-se a  sua veracidade, isto significa que a bolha especulativa com as criptomoedas atingiu a fase de mania, a fase em que quase todas as pessoas desejam estar investidas num determinado mercado.
Como tenho explicado, esta inflação monetária, por enquanto confinada  a certos ativos, vai espalhar-se pela economia em geral. 

Recentemente, foi publicada a National Security Strategy, uma «declaração de guerra» do presidente Trump, em relação à China e Rússia, ao definir em documento oficial que os seus passos para criarem um mercado de petróleo e de divisas que marginalizasse o dólar era uma ameaça direta à «segurança» (leia-se hegemonia) dos EUA. Mas, entretanto, a imprensa e media distraem o público com um livro de mexericos sobre a vida dentro da Casa Branca... Quanto ao documento acima citado, no fundo, todo o mundo já sabia isso, mas agora é oficial e assumido como razão maior de conflito entre super potências.

Temos  os ingredientes todos para uma crise que acompanha o abandono do petrodólar, a passagem para outra moeda padrão nas trocas internacionais.

A conclusão lógica do que precede é que o ano de 2018 vai ser - no mínimo - um ano de muitas surpresas, de muita instabilidade nos mercados, com consequências na economia real, do dia a dia.