domingo, 8 de maio de 2016

«NO PAÍS DOS SONHOS» RAGAS INDIANAS PARA FLAUTA




Fecha os olhos e deixa-te ir.

Assim que estiveres a vogar no oceano dos sons, verás as paisagens interiores. As tuas visões são intransmissíveis, mas o som que emana desta flauta é profundamente inspirador. As defesas do Eu consciente são abaixadas, suavemente, não violentamente, com pleno consentimento e adesão do nosso espírito.

Estamos em cima do dorso de um elefante, que se desloca num pantanal, com aquele passo paciente, tão embalador.

O pantanal é em si mesmo um lugar mágico; as estruturas sólidas dissolvem-se, como um amplo palácio que se dissolve no nevoeiro. As estruturas sólidas desaparecem e dão lugar a fluidos mais ou menos viscosos, escoando, lentos pelos interstícios da nossa memória.

Os sons, líquidos, esgueiram-se e jogam com os nossos sentidos; porém, estão sendo produzidos numa redoma de realidade superior. Os avatares de toda a minha orquestra interior estão atentos a cada pulsação, a cada movimento, a cada intenção de gesto. Estão em sintonia com a paisagem sempre em mutação do pantanal, visto do dorso de um paciente elefante.

O leopardo está atento, à escuta entre os troncos de mangais. Os leopardos estão no seu território. Eu é que sou o invasor. Mas eles também sabem que não têm nada a temer, porque o invasor está bem visível, não se esconde, não é outro predador que procura, numa emboscada, caçar  a presa.

Algumas aves pernilongas, com bico recurvo, estão nas margens, dançando uma estranha ronda. Suas asas batem na superfície aquática e espalham colares  de pingos cristais em torno. Creio que estão fazendo uma dança nupcial. Ou um ritual antigo da água. Estão a celebrar o deus das aves: afirmam seu território, sua geração, sua divindade. 

Tenho em frente de meus olhos um poente, que nunca mais se transforma em noite. As muitas cores estão cambiando as nuvens e as superfícies de água numa sinfonia. Imagino-me dentro duma concha, contemplando o nacre, as paredes da concha, o irisado, as flutuações de cores e as cintilações, que brincam nos nossos olhos.