terça-feira, 27 de março de 2018

BUÇACO: GRANDE BELEZA E BIODIVERSIDADE

              

A poucos quilómetros de Coimbra, encontra-se a Serra do Buçaco, com a sua Mata, no centro da qual está o hotel-palácio do Buçaco. Inicialmente mandado construir por D. Carlos I, como pavilhão de caça, acabou por ser adquirido e transformado em hotel, desde 1917. 
A arquitectura e decoração vão buscar os seus elementos ao Estilo Manuelino, com elementos copiados de monumentos do início do século XVI.


              

Os jardins, à francesa, evocam zonas equivalentes do palácio da Pena, em Sintra. Mas todo este luxo real não nos deve fazer esquecer que o Buçaco foi um local de vida espiritual e  árdua dos monges, em séculos anteriores.



               

Ainda se pode visitar o convento onde Sir Wellesley, futuro Duque de Wellington foi descansar, após a batalha do Buçaco de 1810, que foi decisiva para a derrota da terceira e última invasão napoleónica.


            

A natureza da vegetação desta altura das guerras peninsulares, era muito mais rala; não havia muitas árvores de grande porte; a vegetação era essencialmente formada por arbustos e ervas. 
A florestação desta zona começou em meados do século XIX. Muitas árvores de grande porte, que se podem hoje observar na Mata do Buçaco, foram plantadas no referido século.  


 


 A zona é muito abundante em água, que escoa durante todo o ano a partir de várias nascentes.


 

Como biólogo, fiquei  muito interessado na biodiversidade desta mata, embora saiba que uma parte das espécies não é vegetação autóctone. As espécies autóctones, porém correspondem às que povoavam a floresta primitiva ibérica; estes exemplares, assim como outros, vindos de outros pontos, poderiam fornecer as sementes para a plantação das áreas ardidas do Centro de Portugal, no ano passado. 
O eucaliptal não se pode designar como autêntica floresta, visto que não é uma formação natural, mas uma plantação. A sua substituição poderia proporcionar o restauro  e a regeneração do ecossistema, assim como o repovoamento humano. Os ecossistemas florestais são dos mais produtivos, quer em quantidade de biomassa, quer em biodiversidade.