sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

CRIPTOMANIA: INSUFLADA PELOS BANCOS CENTRAIS ?

Pode parecer extravagante a hipótese colocada no título, mas ela surge, contrariando a narrativa dominante, cada vez mais plausível. 
Com efeito, as criptomoedas são diabolizadas como instrumento de lavagem de dinheiros do crime, das redes terroristas, etc. ou meio de fuga ao fisco de multimilionários discretos, etc. ... 
Porém, além dos sensacionalismos mediáticos, nas salas alcatifadas dos diversos centros de poder (bancos centrais, grande banca, governos, instâncias internacionais) desenham-se estratégias e toma-se muito a sério a questão.

É que os poderosos deixaram crescer este mercado, inicialmente qualquer coisa de volume insignificante, há oito anos atrás, para volumes de capitalização total que impressionam ! Que isso tenha acontecido por terem uma visão muito «curta», parece-me ser uma interpretação completamente ingénua. 
Mais provável será estes mesmos poderes estarem atentos, para - no momento oportuno - tomarem controlo e usarem os aspetos tecnológicos que favoreçam ainda mais a centralização. Um «golpe de mestre» afinal: usarem novas criptomoedas por eles criadas e monitorizadas para efetuar a transição, para manterem sob controlo o famoso «reset» que muitos analistas veem chegar, sem dizerem, ao certo, como!

Tenho vindo a chamar a atenção dos leitores, ao longo do tempo, para as criptomoedas e o seu significado. 
Se, por um lado, me tenho mantido fora das demagogias e sensacionalismos destinados a «vender» notícias, tenho estado por outro, igualmente consciente de que, justamente é agora, nesta época, que se desenvolvem tais recursos: é no final do sistema baseado exclusivamente em moedas «fiat» (ou seja, os bancos centrais emitirem moeda sem estar garantida por algo tangível),  iniciado pelo repúdio de Bretton Woods por Nixon, em 1971.

As criptomoedas, claramente, não podem dar nenhuma garantia, enquanto estiverem fora dum mercado regulado de divisas (todas elas emitidas por Estados). Alguns Estados não querem ouvir falar de cripto- «moedas», como sendo «divisas», mas sim apenas de activos financeiros, de uma nova categoria de instrumentos financeiros. Enquanto uma moeda é um meio de troca de valor, essencialmente, já um «activo financeiro» é um meio de obtenção de lucro, potencialmente pelo menos, logo susceptível de cair debaixo da alçada do fisco.
O essencial do circuito, neste mercado de cripto divisas,  é de privado para privado; eu pago a alguém um bem ou serviço, transferindo determinada quantidade em criptomoeda do meu «porta-moedas digital» para o dessa pessoa. 
As zonas de troca das criptomoedas por divisas «clássicas» (onde se podem comprar criptomoedas com dólares, ou outras moedas «oficiais», assim como trocar criptomoedas pelo seu valor em dólares) são mais ou menos públicas, embora sejam detidas por entidades privadas, mas não são - de facto - reguladas. Não sendo (por ora, pelo menos!) sujeitas a inspecção, controle, fiscalização, regulamentação, não se podem jamais assimilar a «casas de câmbio», onde se compram e vendem divisas. 
Duas falsas certezas fizeram com que o destino do «bitcoin» e doutras congéneres fosse tão brilhante, até agora:
- o mito da absoluta segurança dos «porta-moedas», dos pontos de troca e das próprias operações de  privado para privado.
- o mito de que as operações estão completamente fora do alcance, da supervisão, do controlo e do poder de taxação dos Estados. 

Têm surgido varias notícias nestes últimos anos, desfazendo o primeiro mito, de pessoas que perderam fortunas, devido a hacking das suas criptomoedas. 
O risco é tal que, apesar de milhares por cento (!) de lucro que certos investidores terão obtido, muitos outros renunciam investir em absoluto, ou apenas arriscam uma fracção diminuta, não arriscam parte significativa dos seus portefólios.
Quanto aos bancos centrais estarem totalmente fora da jogada, é uma ideia claramente falsa: por exemplo, o BIS (o «banco central dos bancos centrais») tem dedicado imensa atenção ao nascimento e crescimento deste mercado das criptomoedas. 
Quanto aos governos (veja-se o artigo exaustivo, aqui) têm atitudes muito diversas, abordam o fenómeno de forma muito diferente: desde os que tomam uma atitude claramente repressiva, até aos que aceitam que este mercado tem potencial para ser incorporado ao sistema monetário mundial e suas entidades reguladoras (os bancos centrais).

A grande banca comercial tem necessidade absoluta de se envolver na tecnologia «blockchain». 
A blockchain pode estar descentralizada, permitindo que a rede, formada pelos computadores de muitos milhares de proprietários de criptomoeda, tenha o registo automático e anónimo de todas as transações que se efectuam no ciberespaço. 
Mas, também se pode utilizar a tecnologia blockchain de modo centralizado, mantendo o controlo de operações numa entidade única, pela qual terão de passar todos os movimentos.  
O facto é que os grandes bancos estão a apostar pesadamente nisto, com grandes despesas e muitos peritos a trabalhar exclusivamente para esse fim. Veja-se o caso da cripto moeda «Riple» recém-nascida e muito cortejada pela grande banca!

Finalmente, alguns pensam que o futuro estará numa criptomoeda associada a uma garantia ouro, ou ouro/prata,  o que permitiria que o risco de desvalorização ou sobrevalorização bruscas ficasse muito diminuído. O ideal seria uma transação segura e sem as oscilações especulativas acentuadas que se observam atualmente nas quotações das criptomoedas. 
Este nexo entre criptomoedas e valores tangíveis daria mais estabilidade e mais segurança, aparentemente, mas creio que o problema seria transferido então para outro nível: o da necessidade de uma absoluta seriedade da entidade - por hipótese, uma entidade depositária de ouro em cofres privados - encarregue de disponibilizar esse mesmo colateral-garantia, credibilizando as  operações do ciberespaço. Afinal de contas, isto seria como a função dos bancos centrais (antes da ruptura com o padrão-ouro em 1971), detendo determinadas quantidades de ouro como «moeda de último recurso» e garantindo, pela convertibilidade em ouro, o valor da divisa emitida, tal como tenho explicado em vários artigos (ver aqui e aqui, por exemplo).

Nada está definitivamente fechado, neste domínio, quer num sentido, quer noutro. 

Penso que, por enquanto, as criptomoedas apenas acrescentaram mais uma camada de especulação num mundo financeiro já largamente parasitado pelas actividades especulativas (vejam-se os grandes bancos a jogarem dinheiros dos clientes em operações com derivados, totalmente desreguladas).

Mas tenho a certeza que 2018 vai trazer aqui uma clarificação, em paralelo com uma alteração global tectónica do poder
Neste contexto, as criptomoedas são vistas por muitos como uma revolução irreversível. Muitas pessoas comparam a sua importância com outra revolução tecnológica dos anos 90 do século passado, o surgimento e a expansão da Internet.

                            


NOTAS:




1- Max Keiser:
















https://www.rt.com/shows/keiser-report/414964-episode-max-keiser-1171/








2- O BIS e as criptomoedas:


https://www.bis.org/publ/qtrpdf/r_qt1709f.htm






3- Como encaram as criptomoedas:


http://www.independent.co.uk/news/business/news/bitcoin-latest-updates-central-banks-say-regulation-cryptocurrency-digital-ecb-us-federal-reserve-a8106961.html






4- Caso Riple:



https://www.forbes.com/sites/cbovaird/2018/01/03/ripple-climbs-past-3-hits-all-new-high/#28bc73067c0b