sábado, 4 de fevereiro de 2017

HANNAH ARENDT E O TOTALITARISMO

                     

Tenho uma impagável dívida para com esta filósofa. É graças a ela que eu entendi verdadeiramente o que é o TOTALITARISMO e como se distingue de outros regimes ditatoriais.

O totalitarismo é um processo complexo de supressão de toda a sociedade civil, que é «fagocitada» até ser colocada inteiramente ao serviço do Estado. Não existe nada além do Estado. O Estado é tudo; nem as pessoas, nem as instituições mais ou menos democráticas subsistem. 
Não podem sobreviver, a não ser que se submetam completa e incondicionalmente aos desígnios do Estado. 
As corporações são incorporadas no Estado: o regime corporativo, caro aos fascistas Maurras, Mussolini, Franco e  Salazar, incorpora toda a actividade económica, associativa, patronal e laboral, numa máquina burocrática que abarca tudo.

 Nada se pode afirmar fora do Estado, o qual tem literalmente poder de vida e de morte em relação aos indivíduos e mesmo aos grupos sociais. 
Muitas vezes, no discurso de propaganda surgem - como instrumentos de unificação - as palavras «pátria» ou «nação»: estes conceitos são subsumidos como os fundadores míticos do Estado, mas na realidade, apenas estão dando cobertura ao detentor absoluto do poder.

Na obra «As origens do totalitarismo» Arendt descreve a transmutação do regime da República democrática de Weimar no III Reich hitleriano, assim como a violenta transformação da pátria dos Sovietes, numa ditadura impiedosa. Em ambos os casos, os instrumentos jurídicos que fundavam a legalidade não chegaram a ser erradicados; foram simplesmente ignorados. 
A «legalidade» passa a ser simplesmente a vontade, a palavra do «chefe supremo», seja ele Hitler ou Estaline.

Esta realidade não aparece de chofre, vai coalescendo, pé ante pé, mesmo quando existem episódios de uma grande brutalidade. Se tais episódios foram ostensivos nalguns casos, noutros foram ocultados das massas, que viviam dentro duma atmosfera saturada de propaganda. 
Note-se que os campos de concentração do regime nazi começaram por se encher de militantes anti-fascistas, operários, intelectuais, antes de serem utilizados em grande escala para o genocídio dos povos judeu, cigano e outros ...
Igualmente, os campos de concentração soviéticos começaram muito antes da era de Estaline. Logo na era de Lenine e  Trotsky, houve repressão política brutal e sanguinária, não apenas dos czaristas, dos sociais democratas opositores do novo regime, mas também de operários socialistas revolucionários e anarquistas porque recusavam que os sovietes fossem manietados e controlados pelo partido bolchevique.



Muitas pessoas chamam «Hitler» ou «Estaline» a este ou aquele dirigente político contemporâneo. Ao usarem tal designação insultuosa, estão porém a «banalizar» o mal absoluto que é o totalitarismo e a contribuir para confundir as jovens gerações.

O pior disto é que, se aparecer um líder que tenha - de facto - as características de algum novo Hilter, será muito mais difícil a generalidade das pessoas reconhecê-lo, pois vivem na ignorância da génese dos regimes totalitários no século passado!