terça-feira, 7 de agosto de 2018

BANCO CENTRAL EUROPEU - UM CÍRCULO VICIOSO INFERNAL INSTALADO NA ECONOMIA EUROPEIA

                     Resultado de imagem para ECB

A política monetária decidida pelos bancos centrais traduz-se em efeitos concretos nas economias, não apenas nas regiões correspondentes às divisas que emitem, como até globalmente, na economia mundial.
Como exemplo podemos citar a FED, Reserva Federal Americana, o banco central dos EUA. Com as sua política de subida progressiva das taxas de juro, o «tapering», desde há dois anos atrás, tem mantido o dólar bastante alto, mesmo ao ponto de este seu valor, face a outras divisas, ser prejudicial para os próprios EUA. Além disso, o alto valor do dólar tem sido desastroso para os países emergentes, que têm pedido dinheiro emprestado em dólares e vêm a sua dívida aumentar sem poderem fazer nada.

Do lado do banco central europeu (ECB) nada disso aconteceu, entretanto. Apenas uma vaga promessa de que iria reduzir o programa de compra sistemática das emissões de dívida dos países mais fracos do euro. Caso o ECB efectivamente cumpra a promessa, as obrigações destes países irão, sem dúvida, sofrer um tombo (e os juros das mesmas, uma subida abrupta). Veremos se irá aplicar mesmo esta medida que anda a anunciar há tanto tempo
Em consequência dos juros das obrigações soberanas desses países, a estrutura toda do crédito ficará afectada, provocando um arrefecimento brusco da economia. 
Mas a economia do espaço Euro está longe de estar «sobreaquecida»; esta travagem equivaleria a uma descida para nova crise de depressão. 
As economias dos países que beneficiam das compras sistemáticas de obrigações soberanas (Portugal, Espanha, Itália, Grécia) estão - neste momento - a sobreviver, com algumas dificuldades. O encarecimento brusco dos juros seria sinónimo de catástrofe para elas. A economia real sofreria imediatamente com isso e também os especuladores internacionais, «hedge funds», etc., iriam atacar o Euro e «abocanhar», por baixo preço, muitos activos rentáveis, denominados em Euros. 

O ECB causa e mantém uma estrutura artificial do crédito no espaço Euro, ao fazer as compras sistemáticas da dívida dos referidos países. As obrigações destes, estando artificialmente cotadas, vão influenciar o preço do dinheiro, a estrutura do crédito em toda a zona. 
A remoção deste amparo artificial irá fazer com que as obrigações de dívida dos países do sul europeu revertam para valores realistas, que reflectem o grau de confiança dos investidores internacionais nestes títulos e, por extensão, nas economias dos países emissores. 
Assim, criou-se uma dependência tremenda, entre o banco central e os países mais fracos da zona Euro. A continuação deste estado de coisas, que dura desde 2012, levanta a questão importante da alocação do capital: 
- Com efeito, num sistema capitalista, a maneira de avaliar a pertinência de um investimento é pelo retorno sobre o capital investido, o rendimento obtido depois de descontadas as diversas despesas, incluindo o custo do crédito. Ora, caso o crédito seja artificialmente baixo, a avaliação da adequação e rentabilidade dum investimento poderá ser muito falseada. 
Quanto mais tempo a estrutura do crédito estiver distorcida e der sinais errados à economia real, mais se irão multiplicar os investimentos equivocados, que resultarão em perdas em vez de lucros, logo num maior número de falências. 
Uma má alocação do capital, o seu desvio para muitos negócios que são apenas rentáveis na aparência e no curto prazo, verifica-se já hoje, em detrimento de outros investimentos, que poderiam ser realmente produtivos: 
- Vejam-se as valorações bolsistas, geralmente a níveis de 20 ou 30 vezes acima da avaliação das empresas cotadas, ou no imobiliário: trata-se de bolhas especulativas, portanto totalmente insustentáveis e destinadas a rebentar, mais cedo ou mais tarde.

Está, desde há vários anos, instalado um sistema de dependência mútua, mas destrutivo, porque a remoção destas compras sistemáticas pelo ECB poderá precipitar uma catástrofe; mas sua manutenção apenas origina distorção inflacionária dos mercados, que mais cedo ou mais tarde, acabam por reverter aos valores de longo prazo.