segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

«INTERROGAÇÃO» E «PAISAGENS DE INVERNO» - Camilo Pessanha




Interrogação


Não sei se isto é amor. Procuro o teu olhar,
 Se alguma dor me fere, em busca de um abrigo; 
E apesar disso, crê! nunca pensei num lar 
Onde fosses feliz, e eu feliz contigo. 

Por ti nunca chorei nenhum ideal desfeito. 

E nunca te escrevi nenhuns versos românticos. 
Nem depois de acordar te procurei no leito 
Como a esposa sensual do Cântico dos cânticos. 

Se é amar-te não sei. Não sei se te idealizo 

A tua cor sadia, o teu sorriso terno... 
Mas sinto-me sorrir de ver esse sorriso 
Que me penetra bem, como este sol de Inverno. 

Passo contigo a tarde e sempre sem receio 

Da luz crepuscular, que enerva, que provoca. 
Eu não demoro a olhar na curva do teu seio 
Nem me lembrei jamais de te beijar na boca. 

Eu não sei se é amor. Será talvez começo... 

Eu não sei que mudança a minha alma pressente...
Amor não sei se o é, mas sei que te estremeço, 
Que adoecia talvez de te saber doente.



       

Paisagens de Inverno



Ó meu coração, torna para trás. 
Onde vais a correr, desatinado? 
Meus olhos incendidos que o pecado 
Queimou! o sol! Volvei, noites de paz. 

Vergam da neve os olmos dos caminhos. 
A cinza arrefeceu sobre o brasido. 
Noites da serra, o casebre transido... 
Ó meus olhos, cismai como os velhinhos.
 
Extintas primaveras evocai-as: 
- Já vai florir o pomar das maceiras. 
Hemos de enfeitar os chapéus de maias.
 
- Sossegai, esfriai, olhos febris. 
- E hemos de ir cantar nas derradeiras 
Ladainhas...Doces vozes senis...
 

II 

Passou o outono já, já torna o frio... 
- Outono de seu riso magoado. 
llgido inverno! Oblíquo o sol, gelado... 
- O sol, e as águas límpidas do rio. 

Águas claras do rio! Águas do rio, 
Fugindo sob o meu olhar cansado, 
Para onde me levais meu vão cuidado? 
Aonde vais, meu coração vazio? 

Ficai, cabelos dela, flutuando, 
E, debaixo das águas fugidias, 
Os seus olhos abertos e cismando... 

Onde ides a correr, melancolias? 
- E, refractadas, longamente ondeando, 
As suas mãos translúcidas e frias... 


Camilo Pessanha, in 'Clepsidra' 

A música, intrínseca aos versos do nosso maior poeta do início do século XX, ecoa fluída e límpida, na sua aparente espontaneidade.
Haverá algum compositor que já tenha escrito partituras musicais sobre estes mesmos versos? 

Autógrafo de paisagens de inverno:


http://purl.pt/14581/1/bn-acpc-e-n1-6-a_JPG/bn-acpc-e-n1-6-a_JPG_24-C-R0150/bn-acpc-e-n1-6-a_0001_1_t24-C-R0150.jpg