sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: UM TABU BEM GUARDADO

Não sou daqueles que embarca em qualquer fantasia, só porque ela nega os poderes, porque vai contra o sentir comum ou por mero espírito de contradição. Mas, no caso da influência decisiva dos humanos nas alterações climáticas, tenho vindo a tornar-me cada vez mais céptico em relação às opiniões a favor, pois elas estão normalmente blindadas num discurso de consenso, mas esse (pseudo)consenso não é sequer consistente com aquilo que vejo e oiço nos media alternativos. 

Não sendo climatologista e não podendo avaliar corretamente o sumo da questão, fico porém muito negativamente impressionado com a má vontade em  apresentar os dados concretos nos quais se apoiam alguns para chegar a um determinado valor predictivo, à validação de um dado modelo. Não seria próprio dos cientistas de ter sempre a total disponibilidade para dar a conhecer os elementos factuais sobre os quais se baseiam? Com que direito se negam a mostrar essas evidências? 
Por outro lado, esta atitude de sempre «puxar» pelo argumento do consenso por parte de um dos lados da contenda, parece-me um argumento especioso e nada científico: O consenso era contra a teoria de Einstein, da relatividade, quando ele a emitiu, no início do século XX.  O consenso, nessa altura também, era contra a teoria da deriva continental de Wegener, relegada para as margens de uma extravagência, etc, etc.
Fico perturbado com o conflito de interesses que se constata em relação a associações de defesa do ambiente, de preservação das espécies, etc, quando recebem chorudos donativos e subsídios daqueles mesmos que têm tido um papel muito nefasto na preservação dos habitats, conservação das espécies e proteção do ambiente... estou a falar dos grandes do petróleo como é o caso da Exxon-Mobil e da BP, por exemplo!





Vejam a partir dos minutos 16:03 até 28:40 no vídeo acima. Começa com um excerto de uma comunicação de Judith Curry. 
É preocupante haver tantos cientistas que se negam a considerar argumentos de outros cientistas.
O vídeo também mostra provas de que grupos ecologistas, ONGs de proteção da Natureza, estão recebendo chorudos subsídios das corporações petrolíferas.

O que está por detrás e move todos estes biliões não é a saúde do planeta, a capacidade de manutenção da vida e da civilização humana. Não; é a existência do «mercado de carbono» ou seja dos «direitos de emissão de gases com efeito de estufa» , títulos cotados em bolsa e que serão uma fonte enorme de especulação e portanto de lucro para alguns, muito poucos. 
A imensa maioria das pessoas terá «taxas de carbono», sobre tudo, pois os combustíveis fósseis estão na base de todos os processos industriais e agrícolas, nesta era. Em nome da «defesa do ambiente» as pessoas serão servas das grandes corporações. 
Não há pior cego que aquele que não quer ver!