domingo, 31 de julho de 2016

[NO PAÍS DOS SONHOS] CARLOS SEIXAS AOS QUATORZE ANOS




Deslocava-me por vielas esconsas e desertas, não sabendo muito bem em que sítio me encontrava, se nos velhos bairros de Lisboa, se nos de Setúbal ou mesmo de Coimbra. 
Eis senão quando encontro um frade, com o seu hábito de burel e o rosto totalmente na sombra do capuz. 
Perguntei-lhe, naturalmente, onde me encontrava. Ele olhou para mim e, espantado, disse-me: 

- «Está na presença de José António de Seixas»  

Retirou o capuz, deixando ver um rosto trigueiro, quase infantil na sua extrema juventude. 
Mal me recompus do choque, pegou-me gentilmente pela mão e disse-me em voz sussurrada: 

- «Quer ver um espetáculo único, exclusivo e delicioso?»

Não sabia o que responder, então apertei-lhe a mão, em sinal de assentimento... Mais perdido do que já estava, era realmente difícil, naqueles tempos...

Arrastou-me o jovem Seixas ao portal de uma casa apalaçada de imponente fachada. Logo dois criados em libré abriram as pesadas portas de madeiro, para deixar-nos passar. O músico era, com certeza, esperado. 
Este, sempre braço-dado comigo, subiu a majestática escadaria, iluminada por tochas, sustentadas por estátuas de escravos negros profusamente policromadas. 
- Mas onde me encontrava eu, agora? Não sabia. Continuava a não ter a mínima ideia, embora já tivesse percebido que se tratava de Lisboa... Mas de uma Lisboa do início do século XVIII. 

Nisto, o jovem que aqui me trouxera abriu uma porta de duplo batente, com brasões e relevos em talha dourada, revelando um salão onde várias damas e senhores, sentados, conversavam e pigarreavam rapé. 
Assim que viram o jovem, aplaudiram-no efusivamente, dando vivas e palavras simpáticas de encorajamento. 
Este fez uma vénia galante, apesar de ser um jovem frade. 

Sem demoras, pôs-se ao cravo, um instrumento de um só teclado. Ele tangia o singelo instrumento, como se acariciasse o dorso de um belo animal; tirava dele sons subtis ou arrojados, com a maior naturalidade, como quem conversa. 
Ele improvisava como se as teclas e cordas fossem os seus próprios instrumentos fonadores, ou seja, cantava com os dedos.

Após cerca de meia hora parou a exibição virtuosistica do jovem e  um senhor muito bem arranjado e empoado - provavelmente o dono da casa - apresentou aos presentes um nobre cavaleiro, de porte majestático, austero:

- «Il Signore Domenico Scarlatti»

Este fez uma breve reverência dirigindo-se sem hesitação ao fradinho que se erguera entretanto e o olhava com um misto de adoração e de terror.

- «Não temas, Caro...cuidarei que tu faças parte da Capela de sua Alteza el Rei Dom João. Ainda ontem, ele me pediu se eu conhecia em Napoli um bom e talentoso organista... Eu repliquei: Pois tem Vossa Majestade quem muito bem o sirva no Seu próprio Reino». 


Não recordo mais nada desta memorável cena. Talvez eles tenham jogado uma partida de cartas, bebendo um vinho do Porto e cavaqueando, até muito tarde.