quarta-feira, 1 de março de 2017

UMA INEVITÁVEL ASCENÇÃO E UMA PREVISÍVEL QUEDA


Inevitável? Refiro-me à ascenção do FN e de Marine Le Pen. 

                               

Sim, inevitável, porque tudo o que se passa nos meandros da política francesa vai no mesmo sentido: isto é, cada vez mais os erros dos políticos do establishment, quer sejam da direita ou da esquerda, empurram os eleitores para os braços da extrema-direita. Até mesmo a diabolização de Trump pela média mainstream, com o falso paralelo entre o fenómeno Trump e o fenómeno Marine Le Pen, vêm dar mais lustro à «alternativa», que afinal joga apenas na superfície.
Escrevo-a entre aspas pois é uma «alternativa» entre facções da oligocracia, como expliquei em devido tempo neste blog, a propósito da contenda entre a Hillary e o Donald.  
Igualmente, tudo está sendo feito no sentido de dar força à extrema-direita, revestida das cores da defesa da nação, do povo, etc. 
Porém, é a oligarquia do dinheiro que decide as eleições de um lado e do outro do Atlântico. Foi ela que permitiu que Trump vencesse: preferiu alimentar a ilusão dos eleitores - descontentes com o sistema - mas incapazes de ver, para além dos discursos e slogans de campanha, a «real realidade» do poder político nos EUA. 
Do mesmo modo, a cleptocracia eurocrática prefere que «vão para a fogueira» alguns dos seus pares da política mainstream, como François Fillon, para dar contento às massas, fazê-las crer que elas mandam qualquer coisa. 
Tudo parece conjugar-se para que Marine Le Pen obtenha um bom score na primeira volta das presidenciais, que se distancie os candidatos mais próximos, nomeadamente, de Macron
- Estará a oligarquia pensando que uma «união sagrada» de todos os outros candidatos em apoio ao delfim do regime, Macron, será uma boa coisa?
Este mecanismo operou nas eleições presidenciais de 2002 que levaram o Presidente Chirac a confrontar-se com Jean-Marie Le Pen (o pai de Marine). Toda a «classe política mainstream» e grande parte do eleitorado esperam uma repetição do cenário.

A surpresa (o cisne preto) será algo que sai fora no quadro acima traçado, mas cuja eventualidade não foi prevista por ninguém ou quase. 
Pode acontecer o «impensável», pela simples razão de que o público em geral não é informado, mas submetido a doses constantes de propaganda. 
A forma mais insidiosa de propaganda é a que se disfarça de sondagens à opinião dos eleitores. Estas sondagens são falsificadas de mil e uma maneiras, para satisfazer os que encomendam a sondagem. Isto passou-se com a recente campanha eleitoral americana. Foi com isso que se tornou «impossibilidade», no espírito de muita gente, a eleição de Trump.
Muitas situações inesperadas podem, no entanto, ocorrer: A diferença nas sondagens, entre o candidato mainstream dado como favorito (Macron) e Marine Le Pen, tem vindo a diminuir semana após semana. Pode dar-se o caso de, na realidade, ser muito menor do que a media e as sondagens fazem crer. 
Na segunda volta, uma percentagem significativa de eleitores poderia não estar disponível para apoiar Macron, um peão saído do banco Rothchild. Ou um número significativo de abstencionistas da primeira volta, mobilizarem-se para votar «Marine» na segunda volta... ou outra mudança qualquer, não prevista nas sondagens. 

Estou interessado em compreender a política a um nível profundo, não em fazer vaticínios ou distribuir sanções e/ou prémios morais aos candidatos. 
Certamente, existe uma rede de interesses por detrás de cada candidato à presidência. No momento da segunda volta, não apenas os eleitores se polarizam, também os grupos de interesses fazem alianças ou - pelo contrário - rompem pactos, por detrás da cortina. Para mim, é um dado adquirido que a grande finança está apostada em reduzir a expressão política da classe trabalhadora, por muito reformista e inócua que ela seja. 
Os oligarcas sabem que se aproximam tempos difíceis. Na sua perspectiva, é preciso uma mão pesada que possa intimidar, ou mesmo calar, os explorados demasiado incómodos. 
Já sabemos, de múltiplos exemplos passados, que os regimes de democracia liberal são fascismos encapotados, porém a oligarquia tem necessidade da extrema-direita para fazer o trabalho sujo.  

No contexto, já não apenas francês, mas europeu, o grande capital financeiro e industrial sabe que é preciso sair do imbróglio de políticas contraditórias em que a casta política eurocrática se meteu e meteu o projeto europeu... O contexto de estagnação da zona euro, a crise larvar institucional, não podem durar muito mais. Será que eles querem «fazer rebentar o furúnculo»? 
Talvez... Neste caso, o esvaziamento controlado da União Europeia, permitiria o retomar das rédeas e, sobretudo, moldaria a paisagem política a contento dos poderosos. 



Alternativamente, não haveria senão a revolução. Porém, o perigo (para o grande capital) de uma insurreição não está na agenda. 
Para tal, tem contribuído o completo fracasso das forças sociais e políticas (partidos e sindicatos) que se têm atribuído a representação dos  trabalhadores na Europa. A oligarquia está bem ciente disso.
Coloco como hipótese, a ser confirmada ou não no futuro próximo, o seguinte:
A oligarquia pretende que a UE seja desmontada. Os chamados populismos farão o papel de «engenheiros em demolições».