sábado, 9 de setembro de 2017

TSUNAMIS, SISMOS E FURACÕES

Todos nós sabemos acerca das catástrofes naturais que se abatem, num ponto ou noutro do globo. 
Recentemente, um sismo devastador assolou uma parte do México. O receio de um tsunami acompanhando o terramoto está sempre presente, nestas ocasiões. 
Os furacões tropicais Harvey e Irma devastaram o Texas e as Caraíbas, causando prejuízos incalculáveis, além dos mortos, dos feridos e dos muito milhares de deslocados.
Todas estas ocorrências são de natureza pouco previsível no que toca às circunstâncias em que ocorrem e ao tempo em que ocorrem. 
Porém, nenhuma destas ocorrências é uma surpresa completa, pois conhecem-se as falhas na crosta terrestre, a atividade do magma e o desenvolvimento de tensões no rebordo de placas geológicas, que estão na origem dos sismos. 
Analogamente, são conhecidos os movimentos das massas de ar e de humidade nas zonas tropicais e equatoriais, que estão na origem de furacões, os quais têm muito mais probabilidade de se formar em determinadas áreas do globo, do que noutras.  
Estamos relativamente bem informados sobre estes acontecimentos naturais, que consideramos fatalidades fora do alcance dos homens. 
Porém, as circunstâncias em que as sociedades humanas enfrentam estas ocorrências podem agravar ou - pelo contrário - minorar, numa grande medida, os aspetos piores de tais tragédias. Sobre as referidas circunstâncias, já nos informam muito menos, já é pouco discutido, a não ser -talvez- nos próprios países onde tais ocorrências se verificam. 

                    


O domínio da atividade económica, pelo contrário, pode dizer-se que é inteiramente dependente da capacidade e da visão humana. Neste domínio, usam-se com frequência expressões como «tsunami», «terramoto», «furacão», etc. para designar metaforicamente os períodos de crise e o seu desencadear, mais ou menos súbito. No entanto, não somos informados nem sobre as forças subjacentes a tais situações de crise, nem sobre todas as medidas que as sociedades poderiam tomar para impossibilitar ou diminuir muito o impacto de tais crises. 
Com efeito, as forças em jogo são suscetíveis de serem conhecidas e estudadas, tão bem ou melhor que as forças em jogo nos fenómenos geológicos ou climáticos. 
Claro que, tal como na Geologia ou Climatologia, haverá - na economia e na política - uma investigação científica e um debate entre especialistas. 
Mas a conversa entre especialistas, por si só, não irá permitir, ao nível do público em geral, uma compreensão mais aprofundada e portanto uma atitude preventiva e racional, no que toca aos modos das sociedades produzirem, consumirem, se organizarem.  
Em tais domínios do saber, creio que há muito mais ignorância do público em geral, há muito menos preocupação em fornecer os instrumentos cognitivos durante a escolaridade, a um nível não específico. Ou apenas terão acesso a estes saberes, os alunos do ensino secundário ou superior que tenham escolhido áreas de especialidade relacionadas de perto com a economia. 


O mesmo se passa em relação à informação «mainstream», que noticia acontecimentos, quer políticos, quer económicos, sem nunca os contextualizar ou, sequer, dar pistas que permitiriam aos mais curiosos consultar trabalhos mais aprofundados e completos.

Penso que a analogia entre catástrofes naturais e político-económicas pode ser adequada ao nível das consequências humanas. 
Mas não é de todo adequado usarmos um modelo como os sismos ou os furacões, no sentido mecânico: não são análogas as forças que estão em jogo, no caso das catástrofes naturais e nas catástrofes desencadeadas pelos humanos. 
Porém, existe uma tendência em usar e abusar da metáfora natural para «explicar» o mecanismo de fenómenos da economia. 
Assim, produz-se um discurso que tem as aparências de científico, mas é vazio de conteúdo verdadeiro. Ele veicula apenas preconceitos embutidos no pensamento dos produtores e recetores do discurso.