domingo, 8 de março de 2020

OUTRO CISNE NEGRO...

Arábia Saudita declara guerra de preços do petróleo, num contexto de pandemia     
                            View image on Twitter
Com todo o barulho mediático em torno da pandemia de coronavírus, tenho a certeza que passou despercebido para muitos o fracasso da reunião da OPEC+ em Viena, na passada sexta-feira, 6 de Março. 
Nesta reunião, a Rússia (que não é membro mas tem tentado coordenar a sua política petrolífera com o cartel dominado pela Arábia Saudita), não aceitou a proposta de redução de produção por longo tempo para sustentar os preços.
A Arábia Saudita decidiu fazer uma jogada «brilhante» de hara-kiri, anunciando a subida da sua produção para mais de doze milhões de barris diários, tendo agora um pouco menos de dez milhões de barris. O preço do petróleo deu logo um tombo. 
A lógica dos sauditas para esta decisão seria a de roubar o mercado europeu aos russos, os quais se desmultiplicaram em iniciativas para fornecimento de petróleo e gás natural, nos últimos tempos. 
Por outro, iria também inviabilizar o sector do petróleo de xisto, nos EUA, que tem necessidade de um preço do crude da ordem de 50/55 dólares/barril, para atingir o limite de rentabilidade. É provável que o barril desça para 20$. A indústria do petróleo de xisto iria à falência, a breve trecho, por não conseguir cobrir as despesas de exploração e os juros dos empréstimos enormes, que a têm sustentado. 
No entanto, a situação causada pela Arábia Saudita em 2014 (a pedido dos americanos) não causou um abalo assim tão grande à economia russa. Esta soube aguentar muito bem o impacto, tendo-se tornado mais diversificada. A Rússia terá capacidade para aguentar outra vez a descida do preço do crude. 
Do lado americano, é verdade que as empresas de petróleo de xisto ficarão ainda mais endividadas mas, num país onde os défices se quantificam por triliões de dólares, serão apenas mais algumas gotas de dívida a somar ao oceano. Enquanto o dólar permanecer a principal moeda de reserva e de comércio mundial, não é difícil imaginar um salvamento conjugado da sua indústria petrolífera pela Casa Branca e por Wall Street. 
Mas, o reino governado com mão de ferro pelo príncipe herdeiro Mohamed Bin Salman, terá um défice orçamental altíssimo (da ordem de 15 % ou mais). Claro que, no curto prazo, tem reservas monetárias suficientes.
Porém, a crise originada pelo rebentamento das bolhas dos mercados todos, catalisada pela epidemia do coronavírus, pode prolongar-se por tempo indeterminado. É impossível saber durante quanto tempo irá durar a retracção da economia mundial. 
Para já, a própria OPEC pode ser declarada morta, pois os países médios produtores de petróleo, ficarão certamente numa situação dramática, em consequência da diminuição brusca dos rendimentos oriundos do petróleo (quase sempre a rubrica de maior vulto nas suas exportações). A grande maioria dos países da OPEC - e a própria OPEC, enquanto tal - não poderão sobreviver, nestas circunstâncias. 
Mesmo que a Arábia Saudita com esta manobra conseguisse derrotar os seus dois maiores concorrentes (o petróleo russo e o petróleo americano de xisto), teria de aguentar as consequências da diminuição drástica de receita, que poderá durar vários anos, resultando daí impossibilidade em satisfazer os múltiplos compromissos sociais, tanto relativos à população em geral, como à «elite» do poder (família real alargada e forças armadas). 
Talvez seja este o verdadeiro motivo pelo qual Bin Salman decidiu mandar prender (outra vez!) um número elevado de militares e de príncipes, em prevenção de um golpe para o derrubar...

Seja como for, os países médios produtores de petróleo ficarão desestabilizados, empobrecidos, por esta decisão unilateral da Arábia Saudita. Face à ameaça de pandemia e de recessão mundial profunda, esta decisão não poderia ter vindo em pior momento.

PS: sobre a geopolítica envolvendo assunto, ver aqui uma análise pormenorizada de Thierry Meyssan

6 comentários:

  1. o colapso das bolsas europeias é ao nível de «um crash do tipo Lehman»: https://www.zerohedge.com/markets/european-stocks-crash-most-lehman-enter-bear-market

    ResponderEliminar
  2. Hoje, 2ª feira 09/03/2020: Foi um «banho de sangue» em todas as bolsas, da China aos EUA, passando pela Europa. Nenhum tipo de activos financeiros foi capaz de aguentar o embate...
    https://www.zerohedge.com/markets/covid-19-chaos-crude-carnage-credit-collapse-biggest-stock-selling-day-20-years

    ResponderEliminar
  3. Doom Vortex, explicado por George Gamon:
    https://www.youtube.com/watch?v=hw4GGrYTHog

    ResponderEliminar
  4. Matthew Ehret: é estupidez pensar-se que a causa da crise é o coronavirus, quando há tantos elementos que se acumularam ao longo dos últimos anos, que fragilizaram o sistema.
    https://www.strategic-culture.org/news/2020/03/09/the-real-causes-for-the-oncoming-economic-collapse/

    ResponderEliminar
  5. Para cima de $140 milhares de milhões de dívida emitida por produtores de petróleo de xisto, de fornecedores destes e companhias de energia têm ranking de crédito de triplo B; estão em risco de descer para o nível «junk».
    https://www.zerohedge.com/markets/fallen-angel-day-arrives-140-billion-energy-debt-risk-imminent-downgrade-junk

    ResponderEliminar
  6. https://www.rt.com/business/482947-russia-saudi-revenge-shale/

    segundo o prof. Wolff não há guerra de mercado entre Rússia e Arábia Saudita

    ResponderEliminar

Todos os comentários são bem vindos que vierem por bem