sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

ONTEM JÁ SE FOI; MAS O AMANHÃ DEMORA A CHEGAR

Foto de Madura 55.




Vem este título a propósito do excelente «happening comunitário», evocando as cheias de 1967, a peça «A lama nos bolsos», apresentada ontém, no teatro municipal Amélia Rey Colaço de Algés, em récita única (?).

Excelente trabalho colectivo da equipa, sobretudo de amadores, que actuou nesta peça e que pacientemente a montou, durante meses.

Curiosamente eu, com 13 anos na altura das cheias de 1967, tinha memórias desse acontecimento, mas não da dimensão trágica do mesmo. 

Reflectindo hoje sobre o espectáculo que vi, veio-me a reflexão seguinte: 
- As  mais importantes mudanças que ocorreram nesta sociedade não são as mais visíveis, são as mudanças subterrâneas.

Digo isto porque as pessoas concretas, as comunidades, não esquecem as tragédias passadas e organizaram este evento de memória, em solidariedade para com as vítimas dos incêndios mortíferos e devastadores deste verão e outono, em Portugal.

            

              um grande obrigado musical à mulheres e homens, que construíram este espectáculo