sábado, 17 de junho de 2017

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS, FRAUDE CIENTÍFICA DO GLOBALISMO

Há muito tempo que tenho pensado escrever o que fui aprendendo, de várias entidades e pessoas que se têm dedicado ao clima, quer as que se colocam no campo das «alterações climáticas», quer as opostas ou cépticas.

Este debate tem sido cientificamente pouco esclarecedor, porque as pessoas - do interior das ciências da Terra e do Clima - que se têm posicionado contra os modelos da NASA ou o painel da ONU, são sistematicamente arredadas da discussão. 

Veja-se, sobre o mesmo tema, o meu artigo anterior postado aqui.

Recentemente, visualizei este vídeo abaixo, que mostra uma audição numa comissão do Senado dos EUA, com um cientista, Don Easterbrook (geólogo) crítico da narrativa dominante. 
É longo, mas justifica-se uma atenta visualização.

                      

O seu testemunho é impecável de rigor, não deixando dúvidas sobre a maneira como os dados são traficados, sucessivamente, para encaixar na narrativa dominante.
Muito importante em termos científicos é o facto de que a relação de causalidade entre aquecimento global e aumento do CO2 atmosférico foi demonstrada, por ele, estar completamente falseada, invertida: os episódios de aquecimento global (que duram cerca de 30 a 40 anos, seguidos de períodos semelhantes de arrefecimento global) não são consequência do aumento do CO2 atmosférico. 
Dois conjuntos de dados vêm apoiar esta afirmação: 

1) Durante um período, cujo pico foi em meados da década de 30 do século XX, não havia ainda um aumento significativo da concentração de CO2, tendo porém havido aumento das temperaturas correspondentes a máximos iguais ou superiores aos registados nos finais do mesmo século. 
O registo climático de longo prazo, a análise de amostras das camadas de gelo acumulado na Antártida desde há milhares ou mesmo milhões de anos, mostra ter havido episódios numerosos de aquecimento, sem que estes pudessem ser atribuídos a atividades antropogénicas. 

2) Os registos do aumento de CO2 atmosférico mostram que estes sucedem aos aumentos de temperatura; eles não os precedem, como seria lógico, caso a teoria do aumento antropogénico da temperatura terrestre fosse correta. De facto, sabe-se que o sistema oceano-atmosfera funciona como um todo, em que a circulação do CO2 se reparte, segundo um equilíbrio físico-químico, onde a solubilidade na água do gás carbónico depende da temperatura; quanto mais elevada a temperatura, menor a solubilidade do CO2 na água.  Nos períodos de aquecimento climático, ao longo das eras, há um aumento da temperatura da água oceânica, seguido do aumento do CO2 atmosférico. Este fenómeno é explicado pela diminuição da solubilidade do CO2  e, portanto, do aumento do CO2 na atmosfera.
Verifica-se que se arvoram em «especialistas» pessoas que não o são; as pessoas que constroem modelos matemáticos são cientistas de computação; não são climatólogos. 
Pessoas que negam a palavra aos cientistas críticos do modelo dominante são temerosas da verdade; não argumentam, apenas censuram.

Muitos outros dados são relevantes, mas penso que a audição atenta da sessão referida poderá esclarecer as pessoas mais motivadas. O inglês falado não é sempre muito inteligível, para pessoas não anglofalantes, principalmente. 

Gostava de chamar a atenção para a questão perversa do «peer reviewing» (avaliação pelos pares) levantada por um senador, no final da audição: O cientista confirmou a existência de uma grande quantidade de artigos favoráveis e uma quase ausência de artigos não favoráveis à concentração do CO2 como causa do aquecimento global. Porém, denunciou a sistemática censura dos conselhos que selecionam os artigos, como admissíveis ou não, nas diversas revistas científicas: algo que vá contra o «consenso climático», pura e simplesmente não tem hipótese de ser publicado; é logo rejeitado à partida.



QUAL A MOTIVAÇÃO PROFUNDA PARA ESTA FRAUDE?

A audição em causa não esclarece isto, mas existe um argumento, não científico mas político, que explica o consenso fabricado e o grande desejo das forças globalistas (dominando governos, instâncias internacionais, grandes corporações e finança) em afirmar a agenda das «alterações climáticas». 
O principal interesse dos globalistas é - sem dúvida - a «taxa carbono»: segundo eles, a panaceia que iria salvar o clima. 
Mas nós sabemos que ela se destina apenas a salvar a banca e a finança mundiais e instaurar uma ordem nova global, o governo único mundial, com a regulação e o controlo das instâncias globais (ONU; OMC; FMI; Banco Mundial; etc). 

Sabemos como  a desregulamentação da finança, sobretudo desde a remoção da lei Glass-Steagal nos EUA,  em finais do século XX,  tal como o comportamento totalmente irresponsável dos bancos centrais, tem estado a fazer crescer a dívida pública e privada para níveis incomportáveis e ingeríveis.  

Pois bem, a taxa carbono será um enorme fundo financeiro, a ser gerido pela banca internacional (uma mera dúzia de bancos, de dimensão planetária), que irá acrescentar liquidez e assim tapar os buracos enormes causados pela constante impressão monetária e especulação.  

Será um imposto sobre o ar, que irá fazer literalmente encarecer tudo o que os cidadãos comuns consomem, supostamente em nome de uma causa ecológica, mas que não tem nada que ver com o clima.

 Trata-se da maior fraude científica, ao serviço da salvação do sistema financeiro e da estrutura do capitalismo do  presente. Devíamos estar gratos aos cientistas que a desmascaram. Devíamos ter as maiores suspeitas sobre os consensos fabricados. 
A fraude pega porque as pessoas estão inquietas pelo seu bem-estar, pelo equilíbrio do ecossistema por um lado, e, por outro, porque não podem dominar todas as áreas científicas envolvidas.