quinta-feira, 28 de junho de 2018

FELICIDADE E PERCEPÇÃO DA FELICIDADE

Tem sido divulgada uma publicação anual, o «World Happiness Report» ou Relatório Mundial de Felicidade, a qual inclui um ranking (ver as páginas 20-23 do documento citado). O ranking é construído a partir de determinados pressupostos.  Não estou certo que os critérios sejam muito acertados; os parâmetros escolhidos e os modos de medição dos mesmos são contestáveis.
As barras do ranking têm várias cores, correspondentes aos critérios adoptados: ver cores e legendas no baixo da página 21 do documento.

Tenho constatado, ao longo da vida, que povos (e pessoas) com menor bem-estar material são frequentemente mais alegres, vivem a vida de modo mais intenso e por isso são, num certo sentido, mais felizes, que povos com uma grande abundância material, uma eficaz rede de cuidados de saúde, etc. 
Tenho constatado também que os portugueses têm um grau de auto-comiseração enorme e baixa auto-estima. Isto é transversal às classes sócio-económicas e às idades. 
Curiosamente, Portugal situa-se neste ranking construído com base nos dados de 2015-2017, praticamente na posição do meio: no lugar 77, a meio entre a Finlândia (nº1) e o Burundi (nº156). 

Costumo gracejar que Portugal tem um nível de impostos per capita correspondente aos países escandinavos, mas um desempenho em termos de serviços do Estado aos cidadãos, ao nível do Burundi. Afinal estava muito próximo destes dados e não sabia! 

Talvez este tipo de estudo, caso fosse divulgado amplamente nos media, permitisse que algumas pessoas descolassem de uma visão tecnocrática, olhando a distribuição dos parâmetros para além do mero PIB/capita. 
Eu penso que se deveria complementar este ranking com o índice de Gini, permitindo avaliar a desigualdade económica dentro de um país.



Um país com elevado índice de Gini é um país com desigualdade económica (e social) elevada. Ora, tanto a percepção da desigualdade, como a desigualdade em si mesma, podem ser factores importantes para a (in)felicidade.