quarta-feira, 18 de abril de 2018

[OBRAS DE MANUEL BANET] excertos de «UM CORPO MERECE SEMPRE VIVER»*


* poemas da colectânea inédita intitulada «Um Corpo Merece Sempre Viver»
----------

SÃO HORAS

São horas de fumar o presente
E arrumar o passado num baú
Com versos em tons de malva
Só colhidos nas horas mortas
Em postais ilustrados, com beijos muitos,
Xicorações e lenços de seda antiga,
Amarelecida como folhas de um outono
Vindouro; cada frase desbotando no vão
Do portal escancarado, sob chuva de março,
Irrigando os senteiros entre rochas
                         E troncos retorcidos...

|São horas de fumar o presente
São horas de perder as horas
São horas de contemplar o umbigo
São horas de ouvir os pêlos da barba crescer
São horas de afogar o cansaço no regaço
De uma noite onde se esconde teu rosto
E se empresta um tempo ao silêncio
E se goza a tragos ansiosos a estupidez
De nos preocuparmos com coisas vãs
São horas de fechar o livro
São horas de sonhar...




GNOSE

Via surgir esses rochedos do mar
Se retirando em oração rouca;
Eram modelo da Verdade pouca
Que aos olhos é dado contemplar.

Os olhos cerrou, que assim guardavam
Melhor a visão, analogicamente
Certeira, do combate que a mente
E a matéria entre si travavam.

Mergulhado em meditação ousada,
Atravessou oceanos, atmosferas,
Espaços estelares, até ao Nada

Dilatando sua visão das esferas
Ao Todo Universal, a razão empolgada
Descobriu por fim que Tu eras!





ÉS O MENINO QUE SE INTERROGA

És o menino que se interroga sobre os campos submersos – as misteriosas profundezas oceânicas- revolvendo na praia as conchas, os búzios, essas frágeis concreções que juncam a areia, trazidas pela paciência coleccionadora da maré...

Assim o saber que ao Homem se oferece:
Lá está exposto, qual carapaça fóssil
De um ser no Universo...

Mas quando poderão novos Newton, Darwin ou Jacques Monod,
Reconstruir do fundo oceano da nossa memória genética, o “Homo”
Ainda não “sapiens”,
Mas já menino
Interrogando as conchas e seixos rolados
Até á praia pela força
Das marés?





JAZZ

Gemido, sofrido, no mato
Carne pisada na roça
Dor, humilhação na choça
Rasgão, sangue pisado no corpo



UM CORPO MERECE SEMPRE VIVER


Um corpo merece sempre viver
Será este o meu derradeiro
Grito quando moribundo ‘stiver.