terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

[NO PAÍS DOS SONHOS] ASA CHAN - MINKARA


Estava naquele aeroporto há tantas horas. Esperava já não sei que voo; apenas sabia que tinha de esperar por uma vaga, um lugar num voo ... para chegar ao meu destino.
Os zumbidos, ruídos metálicos e as vozes confundiam-se e formavam um fundo sonoro contínuo. De vez em quando, dormitava, mas depressa acordava. A espera era ritmada pelas vagas de gente que se aproximavam ou afastavam, no hall em me refugiara.
Ia-me entretendo com recordações recentes da minha estadia naquela terra, já distante, a que deixava para trás, ou daquela a que regressava.
Talvez tivesse sido ao terceiro dia, que o encontrei. Ele estava tão saturado como eu. Descobrimos que íamos para o mesmo sítio. Falámos de coisas triviais, prometemos nos encontrar mais tarde.
Mas a probabilidade real de nos encontrarmos depois, após a chegada à cidade-destino, era muito próxima de zero.

Dias depois, recebi a gravação acima, por via de redes sociais... só depois de muito pensar, cheguei à conclusão que tinha vindo dele; o tal colega de infortúnio no aeroporto em caos total.

Síntese e harmonização do nosso andar em círculo, em torno do Globo, tal como moscas zunindo até caírem exaustas? Ou profunda meditação que nos auxilia a abrir os chakras do corpo e alma? Ou ainda expressão do mundo de sonho, veiculado pelo músico xamã?