sábado, 27 de janeiro de 2018

[OBRAS DE MANUEL BANET] O cuidar das coisas efémeras...


O cuidar das coisas efémeras...

As essências que de nós emanam, são acaso mais que os dias?
A nossa procura é sempre brincadeira de criança solitária

Colhemos rosas em Setembro, sem qualquer malícia
Visitámos recônditos antros e neles buscámos o sonho
Porém, da ausência se fez presença e do silêncio, brado

Soubemos -por fim- a sabedoria:  nossas naus,
ardidas em praia calcinada,     olhando para elas
nos acordámos.



I.
Alvejavam já os cortinados, soprados pela brisa; as aves não buliam
Pelas pálpebras dormentes, um frémito perpassou
Depois, voltou a mergulhar em sono profundo
Por dentro do secreto casulo de seda 
O sonho desenrolava-se, denso, incompreensível

################

II.

Estava deitado, olhando a abóbada celeste
Perto de mastros destroçados e velas rasgadas
Mas, seu olhar não podia ver as estrelas
Nem, tão pouco, seu ouvido podia ouvir 
Estas vagas suaves que se enrolam na areia

################


III.

Caminheiros das estrelas
Fomos enganados por fogos fátuos
as centelhas do nosso ego
que nos desviavam da rota de vida
Nós estávamos no seio do Universo
A vida veio e abriu-nos os corações
simples momento de iluminação
despidos de morte
só luz e entendimento
da palavra «amor»