terça-feira, 14 de novembro de 2017

GENOCÍDIO NO IÉMENE, AMEAÇAS DE GUERRA, INDIFERENÇA DO OCIDENTE

Como muito rigorosamente descreve o blog «Moon of Alambama», os sauditas, tendo sofrido uma derrota humilhante no Iémene, frente aos insurretos Huthis, querem vingar-se na população, matando-a à fome. Isto é genocídio, do mais bárbaro que se pode imaginar; no entanto, a media ocidental faz completo black-out sobre o assunto. Ela, sempre tão pronta na defesa dos «direitos humanos», quando se trata de verberar a conduta de alguém que desagrade à oligarquia, que eles chamam de «comunidade ocidental». 

                   Yemeni school children walk outside a school that was damaged in a Saudi airstrike in the southern Yemeni city of Ta'izz, March 16, 2017. (Photo by AFP)
        http://www.presstv.com/Detail/2017/03/24/515487/Yemen-civilians-Saudi-war-UN

Nem sequer ligam à ONU, presidida por António Guterres, que tem feito vários avisos sobre a fome que alastra no Iémene e sobre a impossibilidade de auxílios alimentares e médicos chegarem ao seu destino. Fosse esta situação invertida, ou seja, os agressores serem do campo «inimigo» (Irão, Xiitas, etc.) haveria uma enorme berraria e uma onda de indignação, aliás muito justa, mas que não ocorre neste caso.
Mas bastaria simplesmente constatar os factos no terreno, de uma população civil desnutrida por meses de bloqueio, morrendo à fome e de doenças curáveis, tudo devido às ambições insaciáveis do príncipe herdeiro saudita. O belicoso príncipe queria assegurar pela guerra a sua sucessão, revestindo-se de uma vitória - supostamente fácil - sobre os insurretos tribais Huthis, no Iémene, aproveitando para se apossar dos campos petrolíferos do Iémene, que confinam com os da Arábia Saudita. Estes últimos estão, há vários anos, a dar sinais inequívocos de exaustão. 

               Resultado de imagen de yemen war 2017

Bela jogada, só que lhe saiu furada. Vingativo, manda fechar os portos para matar à fome a população civil iemenita, em maioria de obediência xiita. 
Trata-se de uma guerra sectária, em que a parte agressora é waabita, versão do islamismo no Reino da Arábia Saudita, a mais reacionária que se possa imaginar, aliás na base da ideologia do «Estado Islâmico». 

                  Mohammed bin Salman
                      http://www.bbc.com/mundo/noticias-internacional-40352779

O príncipe Muhamed bin Salman lembrou-se há alguns meses de fazer um ultimato ao Quatar, porque este mantinha relações com o Irão e tenciona explorar conjuntamente um grande depósito de gás natural que se estende nas zonas de águas territoriais de ambos os países. Falhou redondamente, porque a Turquia, normalmente no mesmo campo que os sauditas, não permitiu que as ameaças se efetivassem.

         
http://charleshughsmith.blogspot.pt/2017/11/mideast-turmoil-follow-oil-follow-money.html

Em desespero pela ausência de rendimentos do petróleo, que baixou cerca de 50% se comparado com os níveis de preços de 2014, decidiu agora dar um golpe na própria aristocracia parasitária do Reino, encerrando-a numa prisão de luxo (o Ritz). Conta assim obrigá-la a entregar aos cofres do Reino os biliões de dólares que detém, fruto de uma parasitagem permanente e institucional. 
Acusar alguém de corrupção num país onde qualquer negócio é fechado, apenas e somente, na condição do beneficiário «pagar» os bons serviços dos que o viabilizaram... é apenas um pretexto de baixa política, para impedir qualquer conspiração contra o poder absoluto do príncipe, por parte dos numerosos potenciais herdeiros do trono e, por outro lado, ajudar a minorar o enorme rombo nas finanças, que a guerra do Iémene e a simultânea descida do preço do petróleo causaram.

A imprensa prostituta dos países ocidentais fez muito barulho há uns meses atrás, pelo facto de agora as mulheres sauditas já poderem conduzir. Como se fosse um avanço real nos direitos das mulheres e portanto dando falsamente a entender que o «príncipe reformador» estivesse a melhorar os direitos humanos, quando nesse preciso momento, estava a levar a cabo uma guerra criminosa no Iémene.

O novo Calígula não pára de espantar o mundo, agora atacando diretamente o Líbano, forçando o seu primeiro-ministro Hariri a resignar do seu cargo, diante das câmaras da TV saudita, quando em viagem a este país, em circunstâncias no mínimo insólitas. 
Todo o ódio contra o Irão, responsável pelo fracasso da guerra da Síria, vem agora à superfície. 
O Hezbollah (partido xiita libanês, com sua milícia) contribuiu muito para a derrota dos mercenários pagos pelos sauditas (o próprio «ISIS» ou «Estado Islâmico» e os chamados «moderados, como a «frente Al-Nushra» e outros).
Agora, Muhamed bin Salman quer desestabilizar o governo libanês, onde está presente - em coligação com outras forças - o Hezbollah.  
Na sua ambição desmedida pelo poder, não hesita em criar uma guerra. Não hesita em fazer acordos secretos com os israelitas, que nunca digeriram a derrota humilhante no sul do Líbano, pelo Hezbollah, que deitou por terra o mito da invencibilidade do exército israelita.
Face a esta situação, os países ocidentais (EUA, França, Inglaterra, principalmente) limitam-se a olhar e dar pequenos sinais de distanciamento, mas sem inviabilizarem esta política belicista, cruel e demente. 

Macron foi recentemente à Arábia Saudita e Emiratos da região, com todo o peso do reconhecimento, que um Chefe de Estado da França representa. 
Mas não tratou de ajudar a resolver o imbróglio envolvendo a chantagem ao primeiro-ministro do Líbano, com o qual a França tem longos laços e onde pretende manter um relacionamento especial. Não, Macron disse taxativamente que Hariri não estava sob prisão. Depois, foi assinar um contrato multimilionário de venda de duas corvetas aos Emiratos Árabes Unidos.

                           Resultado de imagen de French President Emmanuel Macron delivers a speech at Dubai's Chamber of Commerce in Dubai, UAE, November 9, 2017. REUTERS/Ludovic Marin/Pool

https://www.reuters.com/article/us-france-emirates-saudi/frances-macron-broaches-lebanon-in-surprise-saudi-visit-idUSKBN1D92BD

É assim que as coisas acontecem: a cidadania dos países ocidentais encontra-se privada de esclarecimentos em relação a situações graves. 
Desta maneira, as políticas mais contrárias aos próprios princípios e sentimentos desses países podem - impunemente - ser levadas a cabo, pelos governos, pelos chefes de Estado. 

O princípio subjacente do campo ocidental é que - em assuntos do Médio Oriente - devem usar-se critérios especiais, tanto mais que o grande objetivo é assegurar que o abastecimento de petróleo aos países europeus continue a fluir, aconteça o que acontecer. 
Já se vê que prioridade têm os direitos humanos destes povos, governados pela pior tirania medieval!