quinta-feira, 23 de novembro de 2017

A FLAUTA MÁGICA [excertos e comentários]

                                 


A«Flauta Mágica» é muito exigente no plano musical, necessita de: 
- Um grande rigor e clareza de articulação, que ajudem a compreender as palavras do texto, coisa que me parece sempre desejável. 
- No plano instrumental, a interpretação deve ser igual ao valor dos cantores. Desde a Abertura até cada ária acompanhada,  tudo deve ser servido por uma excelente orquestra.

Mozart merece o melhor. Pela minha parte, não me canso de prestar ouvido atento às suas composições: Ao seu excelente sentido melódico, aliado de uma grande frescura expressiva! O seu sentido do humor e uma densidade humana inegável... enfim, um montão de qualidades. 
Porém, há certamente razões pessoais para eu ter uma adoração especial pela «Flauta Mágica», maior que qualquer outra obra, por mais genial que seja.
Esta obra, por sinal, é inesgotável: sim, podemos relacioná-la com uma simbologia maçónica, apenas velada; sim, podemos dizer que está na origem da ópera germânica propriamente dita; e sim, esta obra pode ser lida a vários níveis. Mas é inesgotável, podemos ouvi-la sempre com prazer!

Sempre me acompanhou, na minha vida: posso dizer que constitui um «refúgio»... mas refúgio de quê? - Da fealdade e da estupidez...
... Retemperado pelos acordes solenes ou esfuziantes da «Zauberflöte», fico em muito melhor condição para os «monstros» que tenho de enfrentar, às vezes !