sexta-feira, 28 de julho de 2017

[OBRAS DE MANUEL BANET] PROJECTO PARA UMA SUITE

PROJECTO PARA UMA SUITE*

1-  Andante maestoso

À hora em que o falcão desdobra as suas asas e se eleva para, logo de seguida, planar acima das estepes ainda silenciosas, ouve-se o trotar longínquo de uma mula.
Na curva do caminho pedregoso, surgem a montada e seu cavaleiro, talvez centauro, sobrevivente do tempo em que os licórnios vinham comer flores nas mãos de donzelas apenas recobertas pelo movediço manto de seus cabelos acetinados... do tempo em que os pomos de ouro eram fruto das árvores existentes nos jardins das Hespérides... desse tempo em que  os homens e as mulheres podiam entregar-se sem mácula aos alegres jogos do amor, sob as ramagens acolhedoras de bosques verdejantes.
Agora que o cavaleiro se encontra mais próximo, já se podem distinguir os traços do seu jovem rosto: seus olhos parecem perdidos na contemplação do horizonte; seus lábios finos apenas entreabertos sugerem – mais do que desenham – um sorriso no seu rosto. Todo ele respira nobreza feita de serenidade, de força tranquila, de fusão com a paisagem grandiosa e bravia.


2- Allegro con moto

Duas criança brincam no terreiro de uma casinhota à beira da estrada. Seus gritos estridentes encorajam montadas imaginárias, aladas sem dúvida, como Pégaso; em torno dos seus pés descalços elevam-se nuvens de poeira doirada.
De rompante, começam aã descida do outeiro, fazendo rolar pedras e torrões de terra, numa carga esfuziante até À beira do riacho onde se vão refrescar; mergulham seus corpos na água turbulenta, dando enormes espadeiradas na sua superfície, que afugentam libélulas e outros insectos multicolores... nos seus espíritos juvenis, mais não são do que uma armada de piratas num oceano imenso.
As sombras dos salgueiros alongam os seus braços, afagando os rapazes num amplexo enternecido. O Sol esconde-se atrás das colinas, lá ao longe, fazendo piscadelas aos dois irmãos despreocupados.
Assim como quem se despede da sua amada, mergulham eles uma última vez, antes de saírem deste lugar encantado, com os seus corpos reluzentes, percorridos por arrepios a cada carícia da brisa.


3- Adagio molto

A sombra invade lentamente o vale; a gritaria das aves extingue-se progressivamente, dando lugar a silêncios prolongados, entrecortados de quando em vez, por uivos longínquos, que o eco das montanhas reproduz com várias intensidades. Esses uivos produzidos por um velho lobo, parecem assim provir de uma numerosa alcateia.
Depois, quando a única luz que percorre as encostas escarpadas das montanhas é só a do disco róseo de Diana, o silêncio é total.
Numa atmosfera surreal, á medida que as constelações se acendem uma por uma, na abóbada celeste, pode-se ouvir o piar discreto de corujas, mochos e outras aves nocturnas.
É nesse instante que surge o som rústico de uma flauta, em melodia arrastada, apenas acompanhada por leves acordes de alguma lira ou harpa. As variações sobre o tema vão-se sucedendo, acentuando cada vez mais um vago sentimento nostálgico.
No final, um trilo muito longo deixa a melodia num cume instável e toda a natureza se cala, tensa, como que suspensa por um fio acima de um precipício.


4- Staccato

Primeiro vêem os gnomos; cada cabriola destes pequenos deuses deixa um rasto de luz no solo, como um flash de néon.
Depois, quando a Lua se descobre de entre um biombo de nuvens, surgem as asas membranosas de morcegos, rodopiando numa valsa sabática.
Por fim, em longas filas, pela encosta acima, uns vultos, segurando candeias e tochas.
No cume reúnem-se num largo círculo e entoam preces numa língua desconhecida. As suas vozes confundem-se com o vento que faz balançar os ramos dos pinheiros.
No meio desse círculo mágico, primeiro de forma ténue, depois nitidamente, surge um ser – misto de bode e de humano – cuja cabeça cornuda está aureolada pelo disco lunar. Começa então um fantástico baile, em que os espectros ensaiam grotescos passos de dança.
No auge do Sabat, o bode ergue-se e toma entre suas patas um facho, com o qual “abençoa” os macabros dançarinos.


5- Finale, vivace

A visão do movimento anterior desvanece-se num horrendo trovão e uma tempestade furiosa rebenta. Este final é entrecortado pelos raios que rasgam as trevas, pelos fogos fátuos, no cimo das árvores.
Após o ribombar dos trovões, uma chuva densa cai sobre o vale, imensa cortina de água que ensopa a terra.
A alvorada surge num ambiente ainda nublado mas os cantos das aves – primeiro timidamente e, progressivamente, com maior intensidade – erguem uma sinfonia ao novo dia, retomando o tema da flauta,  transfigurando-o de melancólico em uma melodia plena da alegria de viver.


-----
* DA RECOLHA INÉDITA «UM CORPO MERECE SEMPRE VIVER» (1987-1989)