quinta-feira, 27 de julho de 2017

[OBRAS DE MANUEL BANET] «A... PASSA»

A… Passa*

Amor, duas palavras tem
          que ser.
Uma para dizer:
         “querer”
  e a outra
para responder:
        “Não”

Novo dia, nova luz
Ora s’alumia, naquela hora,
Senhora, deusa de Luz.

Des-i-lu-sões ... estão meus
Pensamentos cheios,
        Porque é que os devaneios
Têm freios nos pneus
                                 Meus?
           -Santo Deus,
vá deles saber
           as razões!

Se lá achara, aquela que foi
Na hora bela musa – soi.
Ó Sol, sozinho do meu
ninho em vinho se
                         foi?
Se lá achara, nela já lhe dois
Aquela dor grande vela
Mastro e caravela,
Queira vê-la
Se quereis...
                   Sóis!

Equação do vento
na lira:
Ler um tento,
Não se delira,
mas se tento
fazer a ira
da vontade cozer
os versos de frade
é por amor à verdade,
à verde idade
A ver (saudade)
O Largo da Trindade.
De Lisboa, só vem
Coisa boa...
Nos bailes de Sant’António
O seu demónio
paira à toa:
Os versos entoa
vertidos
em pira,
expira,
hélice
d’Alice...
Krakatoa!

Java, porém,
É mais além...
Trovejava
o Nepal
em sânscrito
inscrito
no rito.
Ir ou mito,
o que tem?
Que cantem!
Que digam, felizes:
Doidas perdizes
Deu-me um pagão!
...mas não se pagam
senão com pagem
na voragem
de um sermão.

Ser irmão do Sol,
nascente ou posto
de luz que na cruz
quebra o rosto:
- Do vinho, o mosto.
- Do pinho, o gosto.

Aposto:

            Um quarto de padrinho!
-          “Quieto, quietinho!”
diz o encosto.
-          “Aqui estou, sozinho!”
responde o bem-disposto
autor do presente
verbo demente:
       “Se mente
         a semente,
         não tente
         o potente
          agente
          do dente...
         a gente
        qu’ aguente!
        Já sente
        o pente
         rente
        ao rosto.

Sem cinta que sinta
a santa assenta
a venta na manta.

“Milagre!”
Diz o padre
mas que madre
se há de, no sabre,
dorir, dourada?

Dormir ou nada...
  Nevada, se surgir
Cevada ceifada
a fada de Fado.
Ó malfadado
verso embrulhado,
em chita ensarilhado!
-Não, Conchita,
o telhado
continua aferrolhado
pelo mau olhado
da conta.

                Ia nu, a ferros,
 Ao lado de uma tonta...
Ó Liberdade!
Ó Verdade!
Ó Beldade!
Mata-me depressa
morro-me com pressa
de voltar à puberdade.

Ideia louca
Louvada “Deia”
gentil me destes
a prazeres agrestes
e, com Orestes,
estás sempre prestes,
a despir as vestes...
Vem, não restes
no céu e aos terrestres
dá novos mestres!

                 Fiel labéu
De cão: “Afia-dente”

O que sente
um vidente?
É ponto assente
Que mente
... e no poente
mui contente,
o Sol ardente
            diz:
-          “O sal que rebente
                           no cristal
        Tal como quis!”

Que isto se diga, não importa...
(o que importa é o que vai por dentro)
-          Não voltei à porta do Cristo
       nisto não arrisco o meu petisco!
San Francisco
      deita o isco
      ao marisco deita
      e não deita mal!

Vá ver o quintal
Do Quim
E – que tal ‘ –
- Que sim, que sim,
diz o pasquim
Astral...

Por fim, sem mal
vos dei o talismã
da mamã,
não vim de cal,
         não!
        de...
        Portugal
Por Túgal,
Para vento
Tentúgal
atento,
solúvel,
pregá-lo-
ei  em Vigo
....Se vi,
           digo,
... Se não,

           deixá-lo!

----
* EXTRAÍDO DE «TRANSFIGURAÇÕES», RECOLHA INÉDITA DE POEMAS (1985-1986)