sexta-feira, 5 de maio de 2017

WANG, MENDELSSOHN, TALEB E O «DAR O CORPINHO AO MANIFESTO*»

(*HAVING YOUR SKIN IN THE GAME)

Eis um ponto muito importante, a razão pela qual eu não tenho a mínima consideração por certas pessoas, que se arvoram em defensoras de ideias... as quais, nalguns casos, até compartilho!
... é que elas não dão o corpinho ao manifesto, como explica Taleb, aplicando esta noção aos intervencionistas...


Seja-me permitido ilustrar o assunto dando o exemplo contrário:




 Yuja Wang, o maestro e os músicos da orquestra que interpretaram magistralmente este concerto para piano de Mendelssohn e o próprio compositor... deram o corpinho ao manifesto:


 Com efeito, como poderiam eles fazer de outro modo? Expõem-se à critica, aos aplausos ou pateada do público, estão vitalmente dependentes do que fazem e de como o fazem. 



Não tenho nenhuma hesitação em dizer que os admiro e respeito muito acima de outros contemporâneos: políticos, opinadores, académicos, generais, «CEOs», etc. Mesmo os artistas com talento bem mais modesto que os exemplos aqui escolhidos são superiores, moralmente, aos que - desde um lugar seguro - comandam as tropas, no sentido próprio ou figurado.