domingo, 30 de abril de 2017

MOVIMENTO DEMOCRACIA SOLIDÁRIA E A SAÍDA DO EURO

Participei ontém num debate organizado pela Associação Democracia Solidária sobre o nosso futuro na Europa, onde se falou sobretudo de aspectos relacionados com a política económica que nos é imposta, a troco de sermos membros da «eurolândia»: 

- Continuidade das políticas austeritárias, 
- Relegar para um plano de subordinação económica e política
- Desindustrialização
- Tutela do Orçamento
- Impossibilidade de autonomia 
- Imposição de regras arbitrárias e punitivas

Depois de reflectir sobre a sessão de ontém, 29 de Abril, na Associação 25 de Abril, chego a uma convicção mais profunda e clara: a democracia verdadeira neste país tem-nos sido sonegada em nome da «pertença à Europa». 

Não se pode fazer uma luta profundamente democrática e enraízada no povo sem abordar frontalmente a questão da soberania... ela foi-nos sonegada a partir de Maastricht (1992) e sobretudo do Tratado de Lisboa (2007). 
O povo foi tornado um escravo da oligarquia, a partir desse momento. 
A soberania do povo, em termos políticos, tornou-se um conceito somente decorativo, visto que tem sido negada sistematicamente pela legislação eurocrática.

Para realizar uma verdadeira libertação nacional, o povo português terá de se libertar, não apenas do euro, mas também da eurocracia... 
Terá de entrar em conflito internamente com os que nos venderam... tal responsabilidade «não pode morrer solteira».

As pessoas têm agora que escolher o seu campo: não podem ser pela democracia e serem europeístas... não podem ser pela independência do nosso país e aceitarem que as próprias instituições máximas do mesmo sejam comandadas a partir de Bruxelas...
Se este movimento crescer e se ramificar, se conseguir diálogos fecundos entre várias correntes, sem anátemas, nem dogmas, talvez tenha possibilidade de exercer uma certa pedagogia no seio da base dos partidos, sobretudo em muitos que não são filiados nem simpatizantes de nenhum partido, mas nem por isso desinteressados da vida política. Acho que, neste momento, não são assim tão poucos nem tão irrelevantes como isso.
Parece-me que a condição para que tal desenvolvimento desejável ocorra não é a procura desenfreada de um lugarzinho na media corporativa, através de um qualquer jogo de alianças partidárias eleitorais. Penso que esta associação pode desempenhar um papel muito pouco comum (infelizmente) no nosso país, a saber: ser realmente um fórum (não um clube fechado, não uma seita, não uma capelinha) onde as pessoas desejosas de debaterem civicamente os seus pontos de vista com outros, em respeito mútuo, possam fazê-lo sem receio.

Apoio todas as abordagens fecundas, que estejam claramente apontadas para um futuro para Portugal como país soberano, sem tutelas, sem estar sujeito à dominação de tipo neocolonial.