segunda-feira, 13 de março de 2017

NO PAÍS DOS SONHOS. Lamento de Dido (H. Purcell)


Vogava num universo enfumado, onde se evaporavam os rostos dos companheiros da véspera, como se os fantasmas se confundissem com os vivos, dando a estes uma consistência fantasmagórica, enquanto aqueles se faziam passar por viventes.
Em cima de uma mesa comprida, apenas iluminada por um candelabro, jazia um corpo. Estava ainda revestido da aparência do que fora, uma jovem e alegre criatura. 
No escuro, ouviam-se murmúrios de preces, entrecortados de suspiros e silêncios. 
Lá fora, o sol de Junho resplandecia e as aves cantavam, em contraste insólito com a cena de desolação que se apresentava no interior.
O espectáculo deste palácio do renascimento parecia-me real. 
Sentia-me oprimido e só desejava sair, mas não sabia como. Foi um pequeno pagem que me indicou, com um gesto tímido, um cortinado, recobrindo uma porta. Avancei para lá, levantei o cortinado e abri a porta. 
Foi então que abri os olhos, vendo a realidade do meu quarto, banhado em luz natural. 
Suspirei e fiquei deitado, a tentar relembrar-me dos pormenores do que acabara de sonhar.