domingo, 19 de março de 2017

INTERNACIONALISMO OU CARPIDEIRAS HUMANITÁRIAS?

Uma acção implica necessariamente uma reacção. É uma lei geral da física. Também se aplica, como não podia deixar de ser, nos assuntos humanos. Vem isto a propósito do que o «Ocidente» tem feito nos últimos anos em terras do Médio Oriente e Norte de África.
 O imperialismo dos EUA, com os seus apêndices Britânico e Francês, antigas potências imperiais dominantes no vasto mundo não europeu, devastou os países árabes, usando uma táctica de desestabilização que designou propagandisticamente de «Primavera Árabe». Hoje sabe-se, para além de toda a dúvida, que a política do Departamento de Estado, sob a chefia de Hillary Clinton, é responsável:  as operações «Primavera árabe» foram planeadas e executadas friamente, usando - como sempre- os anseios legítimos de populações empobrecidas e descontentes com os ditadores domésticos, para propulsionar a subida ao poder de facções favoráveis aos poderes «ocidentais», tais como a Irmandade Muçulmana, uma sociedade semi-secreta que não tem nada de progressista ou anti-imperialista, mas que soube avançar com a sua agenda desestabilizadora para destronar os regimes «laicos» ou seja em que a lei corânica não é considerada lei geral: nomeadamente, o Egipto, a Líbia e a Síria. O efeito foi desastroso, conduziu a morticínios dos quais os maiores responsáveis são justamente os que se arvoram em juízes dos outros, o poder nos EUA e nos países da EU…
A destruição, a guerra civil, a guerra religiosa, que o chamado Ocidente semeou, está agora a colher «fruto», sob forma de ataques terroristas, de afluxo de refugiados não desejados, temidos por grande parte da população, sob forma de crescimento da extrema-direita, dos movimentos xenófobos, racistas. Tudo isto, no meio de uma crise económica profunda, que os poderes do dinheiro nunca tiveram coragem de reparar. As bolhas especulativas causadoras do abalo de 2008 estão constantemente a ser re-insufladas na esperança vã de reacenderem uma economia definhando numa espiral deflacionária.
As pessoas de «bons sentimentos» mas fraco juízo crítico, manipuladas, pensam que é seu dever mostrar-se muito humanas face a uma onda de refugiados, quando – na verdade – graças a uma média completamente manipulada pelos Soros e companhia, estão a vender-lhes uma aceitação das políticas imperiais acriticamente, uma submissão de súbditos do império, aos ditames dessa «elite» plutocrática que domina o poder na EU.
Estas pessoas, na melhor hipótese são míopes, na pior, são coniventes dos desígnios dos poderes. A realidade pode situar-se algures entre os dois. Pois o lógico, face aos dados objectivos de que dispomos em abundância, não era tomar uma posição hipócrita de equidistância: Quando existe um agressor e um agredido, como tem sido o caso com a destruição da Líbia, com a guerra suja contra o regime e o povo da Síria, como a guerra de genocídio contra o povo do Iémen, alguém que se coloca numa posição de «neutralidade» está apenas a dar espaço de manobra a um dos lados, ao lado agressor. Vemos que, quer do ponto de vista ético, quer numa perspectiva realista para acabar com essas guerras fomentadas pelo Império, só há uma atitude a tomar: as pessoas com reais e profundas preocupações humanitárias nos países europeus deveriam energicamente lutar contra as políticas imperialistas dos poderes, aderir a campanhas pelo desarmamento, contra vendas de armas a ditaduras sanguinárias e genocidárias, como a Arábia Saudita, exigirem que os seus governos se desvinculem das campanhas orquestradas pelos EUA, que arrastam os países europeus, através da NATO, para um confronto.
 Na realidade, o que me entristece e enfurece mais - nisto tudo - é constatar a impotência fabricada.
 - Com é que procedem? As falsas campanhas humanitárias, de ONG’s subsidiadas pela Fundação George Soros, pelo Departamento de Estado dos EUA, etc., em vez de se atacarem à raiz dos males, «choram» sobre os seus efeitos, sem nunca porem o dedo na ferida.
É assim que os poderosos continuam a ditar as políticas dos países da EU, conseguindo arregimentar a opinião pública: uma parte, «sentimental», julga lutar por causas elevadas ao fazer campanha pelo acolhimento dos refugiados, mas - na verdade- está a ser manipulada, a ser usada desavergonhadamente. Outra parte da opinião pública, «xenófoba», só vê perigos na imigração maciça, mas não sabe identificar a causa verdadeira dessas catástrofes, que são precisamente os seus governos e suas políticas criminosas.
No meio disto, algumas personalidades, algumas organizações cívicas e políticas têm tido um papel nada positivo, pelo facto de se colocarem numa falsa equidistância, numa política do «nem, nem». Não vêm que estão a permitir que se perpetue a política de agressão a certos Estados, que – obviamente- são também de agressão aos respectivos povos.
Uma esquerda verdadeiramente internacionalista deveria ter forte motivação para lutar contra as políticas criminosas dos Estados e governos da UE, quer em relação à Ucrânia, quer à Síria, ou em relação a outros teatros de guerra ou de tensão.
Estou convencido que esta fraqueza tem a ver com o abandono da concepção classista, internacionalista. Em vez disso, temos uma política «mole», «de causas fracturantes» e um retraimento das lutas sociais, de classe. O «humanitarismo» despojado de quaisquer análises sobre a luta de classes e a luta anti-imperialista é apenas um encobrimento, um branqueamento.  
Se todos os povos são nossos irmãos, se não existem guerras humanitárias, se todas as guerras são actos bárbaros e os responsáveis estão ao comando nas cadeiras do poder nos nossos países, então a tibieza e timidez na luta contra a guerra revela cobardia e comprometimento com os nossos piores inimigos.

Esse triste cortejo de hipocrisias, tão cheias de sentimentos humanitários, dá-me náuseas, dá-me vontade de vomitar.