sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

O CORPO E A PAISAGEM (POEMA INÉDITO DE 1978)

O CORPO E A PAISAGEM*




Na rota do Sol luzente
Astro sempre escuro
Segue um cortejo de anjos
Anunciando a aurora
Que se adivinha
E surge repentinamente
Em todo o seu esplendor





Na brisa misturam-se os cantos das aves
O rumor das árvores sussurrando ao pé do rio
Guinchos pacientes de uma nora
As vozes dos galos e das lavadeiras
Vibram como ecos longínquos
Que o vento transporta longe

Terra de barro queimado
Teus pomares são frescura remanescente
Tuas casas guardam segredos jamais contados


Da chaminé caiada ergue-se
Uma espiral de fumo branco
Uma prece de povo humilde
Lançada ao céu azul de chumbo

Aqui a transparência do ar recorta
As sombras como se fossem o duplo dos objectos
Não há mistério ... só beleza imóvel




Jardim de musgo e  vento
Água morta peixes silenciosos
Guardais segredos antigos
Como a pedra os seus gemidos
Quem poderá cantar o perfume
Das laranjeiras em flor?

Numa tarde quente de Verão
Afundado no prazer contemplativo
Sequioso mas não de água
Apenas da luz de uma estrela
Que se remira no riacho
Cristalino de teus olhos


  



Paisagem de penedos
Musgo ruço sobre cinzento
Verdes dourados de ramagens
Aqui e acolá telhados
Apoiados na aspereza da rocha
Um oratório na curva do caminho pedregoso

Há fogueiras no horizonte
Abrasam a planície de ouro e vinho
Minha terra entre rochas e troncos retorcidos
Sabem a sal, a dor, os teus frutos




Sabor de sombra e de Sol
Maçãs de ouro frutos da China
Abris vosso perfume na noite
Enchendo o ar de fragores suaves
Assim te quero no amor
Frescura
Sumo brotando da pele lustrosa
Fruto ardente do desejo




Entre o céu e a terra
Jardim de sombras misteriosas
Gotas de orvalho
Luar caindo sobre o olival
Olhos espreitam fulgentes
Grilos cantando na noite

Afago o teu corpo docemente
Te amando pela noite fora
Até ao amanhecer
Sem tréguas

Como a onda no mar





-
*Este poema longo abre o volume «Lábios do Vento», livro inédito de poemas escritos entre 1978 e 1982.