quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

COMO SE INSTALA A CENSURA, HOJE EM DIA

Para se poder delimitar, isolar e combater esta hidra, devemos descrever as formas de que se reveste, os seus disfarces e pseudo justificações. 
A censura é a forma mais acabada de autoritarismo, vai de par com as derivas securitárias, pois quanto mais autoritário for um regime maior é o aparato de censura.
Porém, mesmo nos regimes onde - supostamente - é reconhecida a liberdade de expressão e de informação, existem formas de censura muito eficazes - ou mesmo mais - dos que nos regimes abertamente autoritários.
A auto-censura é um deles; é vulgar haver pressões em relação a este ou aquele assunto ou personagem. Essas pressões são subtis em muitos casos, não permitindo que, quem sofre o ato discriminatório ou censório, possa apontar uma ação concreta.
É muito banal a media ignorar um acontecimento, uma iniciativa, uma tomada de decisão coletiva, uma manifestação ou uma greve. Trata-se da técnica que designo de «não inscrição». Uma forma mais refinada da mesma técnica pode passar por referir esse acontecimento, mas de maneira que não permita ao público compreender a sua relevância.
Sobretudo, o poder tem sempre a palavra, a voz do poder está omnipresente, quer esse poder seja governo, oligarquia, ou até os cortezãos de uns e outros.
Este monopólio do poder faz com que o espaço-tempo não sobre para o que seria menos conveniente relatar. Isto, porém, tem de ser disfarçado; só assim conserva a eficácia junto dos espectadores/auditores: tem de haver de vez em quando, algumas referências ao anti-poder, senão o jogo torna-se demasiado óbvio.

A media corporativa está sempre disponível para distorcer, eludir, truncar, quando não mesmo, falsificar o discurso, a mensagem de entidades anti-sistema. Mas o melhor, para a média vassala do poder, é ignorar essas vozes. Só recorre à distorção quando já não pode ignorar

Na era da Internet, este joguinho tornou-se mais difícil
Trata-se agora de demonizar abertamente as fontes independentes, classificando-as como «pró-russas» (amanhã será outra etiqueta, se isso convier às oligarquias reinantes). 
Tudo o que essas fontes produzem como notícias é então considerado «fabricado» (fake) mas quem decide o que é ou não é fabricado? 
Temos a instalação de autênticas comissões de censura na Internet, nas redes sociais, por exigência dos poderes, que irão excluir certos blogues, certas páginas, certas fontes... 
Os pretextos são sempre os de «proteger» contra coisas que todos nós achamos horríveis, tais como «pedofilia, terrorismo, crueldade contra animais, etc.» São justificações que «passam» muito bem, que tranquilizam as pessoas meio-adormecidas. 
Será ingenuidade ou conformismo ou pior, não sei. Mas como se pode acreditar que os governos e meia-dúzia de corporações que dominam tudo (televisões, redes Internet, rádios, jornais, magazines) ...estão realmente preocupadas com nossa segurança?

Como dizia Benjamin Franklin: «Quem aceita perder a liberdade em troca de maior segurança, não merece nem uma, nem outra...»