sábado, 26 de novembro de 2016

EPITÁFIO MERECIDO

Eu não preciso da História (com H grande) para me absolver!

Realmente, tenho a certeza, não ter causado desgraças como a morte por assassínio  - sem julgamento ou por julgamento «revolucionário» - de tantos que eu cismei serem meus inimigos.

Nem estive mais de meio-século aos comandos de um regime que era nº1 na perseguição da dissidência, aperfeiçoando o conceito de gulag, um país transformado em ilha-prisão tropical, mas «paraíso» para turistas.

Nem fui sequer um que elogiei a prostituição de algumas das minhas concidadãs, considerando que elas eram universitárias e portanto merecedoras de uma «alta nota» na sua profissão.

Eu também não estive envolvido em apoios de forças militares a outras ditaduras, "dando" generosamente aquilo que faltava ao meu povo, já para não falar de médicos e pessoal de saúde e outros «voluntários».

Não preciso da absolvição da História, sou uma pessoa com defeitos e qualidades, sem querer impor a minha ideia aos outros, nem as minhas visões do mundo e da história, tão pouco... 

De qualquer maneira, repousa em paz, não venhas inquietar com a tua loucura fria os corações que se dedicam a amar a revolução e não a morte.  

Não venham mais epígonos teus fazer fuzilamentos sumários de patriotas e de libertários, operários que tiveram a ingenuídade de apoiar a tua guerrilha, para logo serem declarados «inimigos da revolução» no dia seguinte ao seu triunfo.... 

Os Maquiaveís deste tempo chamam a isto «estar do lado da História». 

Eu prefiro não ir com esse vento e estar sinceramente ao lado das pessoas que não vergaram nem perante a morte, pobres, operários, que foram tragados na tua «revolução», nessa assucareira ilha «socialista paradisíaca».