sábado, 27 de agosto de 2016

[NO PAÍS DOS SONHOS] «LA RÊVEUSE»

                                PIÈCE DE VIOLE COMPOSÉE PAR MARIN MARAIS (XVII SIÈCLE)

Dentro do quarto apenas luzia uma candeia tremeluzente. Eu sabia que estava um frio intenso, mas não sentia frio nenhum, pois ardia de febre. 
Estava no quarto de uma residência nobre, algures no centro da França, no início de Março de 1674. 
Tivera o azar de me ferir ao cair do cavalo numa caçada nos domínios de Monsieur le Compte de M. 
A minha fronte estava molhada de suor. Sentia vagamente o peso dos membros sobre a cama. Escutava o vento uivar lá fora mas, estranhamente, isso não me assustava nada.

A porta abriu-se  e uma luz intensa encheu o quarto. Um homem muito alto e magro entrou, segurando uma bandeja. Primeiro julguei tratar-se de algum barbeiro-cirurgião que vinha para me aplicar um daqueles tratamentos, perfeitamente inúteis. 

Mas, não... a bandeja, uma vez destapada, mostrou uma terrina, um prato e uma colher em prata, uma molheira de porcelana e um copo de vidro cinzelado. O criado, silencioso, pousou a bandeja a meu lado, na mesa de cabeceira. 
Com palavras sussuradas, foi enchendo o prato de caldo fumegante da terrina. Encorajava-me a comer para me recompor depressa. Mas eu não tinha fome nenhuma, até tinha receio de engolir o líquido, de tal maneira a garganta me magoava.

 Esforcei-me, porém, a deglutir um pouco do caldo, mais por deferência para com os meus hóspedes, do que por sentir qualquer necessidade. Há três dias que não comia nada de sólido, mas tinha conseguido aguentar esta febre, graças  aos cuidados do Senhor Conde e de sua Esposa.

Depois de comer três ou quatro colheradas, devo ter perdido os sentidos. Mergulhei num sono profundo. 
Quando acordei estava de novo sozinho. Mas o quarto já não estava escuro, pelas pesadas cortinas entreabertas filtrava uma ténue luz da manhã brumosa.

Estive vários dias assim. Não sei quanto tempo, ao certo, estive neste estado. Mas acabei por vencer a febre, conseguindo primeiro levantar-me e caminhar alguns passos no quarto, depois já dando  tímidos passos no longo corredor, até ao salão, onde  crepitava o fogo de lenha, uma lareira nobre, de mármore negro esculpido.(*)

[*Acaba aqui o relato do caderno manuscrito, descoberto num sótão...]